… mas se calhar estas acções deveriam ter sido interpostas logo há dois meses, sem aquela coisa dilatória das reclamações. Agora, por justas que sejam, entram em contraciclo evidente a vários níveis.

Fenprof exorta professores a contestar cortes salariais

A Fenprof exortou hoje os professores a contestar judicialmente o corte dos salários, dizendo que este é um “tempo de protesto e não de silêncio”.

Não tenho qualquer esperança no actual Provedor de Justiça a quem me queixei (o qual já deve ter esquecido o belíssimo texto que escreveu no Expresso no Verão de 83 ao PM de então, Mário Soares… ainda vou ver se o digitalizo…), nem na eficácia, neste momento, desta contestação judicial da Fenprof. Até porque os cortes salariais são anteriores ao FMI e quer-me parecer que já teriam sido aflorados há mais de um ano atrás, quando… enfim…

“Hoje, o que queremos aqui dizer, é que as pessoas não podem resignar-se, não podem dar como inevitável a vinda destes abutres que vêm à procura da carne”.