Quarta-feira, 23 de Março, 2011


The Stranglers, Something Better Change

Arrancá-lo ao poder foi apenas a primeira fase e foi demorada, dolorosa e parecia que não aconteceria.

Mas…

A verdade é que, em gestão, ainda lá está e com muitos cordelinhos nas mãos.

Há agora toda uma segunda fase que vem depois da passagem da maioria absoluta para maioria relativa em 2009 e  que deve continuar até o reduzir, juntamente com a camarilha que se foi sucedendo na luz (vitalinos, silvaspereiras, lacões, vitais, júdices, marinhos, não esquecendo os abrantinos blogosféricos e todos aqueles que adesivaram rosa e agora irão adesivar laranja) ou na sombra (coelhos, vitorinos, soares) uma evidente minoria.

Essa é uma fase complicada a vários níveis. Quer porque a criatura já mostrou que tem os fôlegos de um valeazevedo, quer porque há cuidadosas propostas a escrutinar e opções a fazer.

Hoje foi só o princípio de uma nova etapa da nossa vida colectiva. Resta saber usá-la.

(c) Maurício Brito (com mochos do Luís Guerreiro)

Todos os líderes dos partidos da oposição fizeram bons discursos. Um pouco melhor Portas, que conseguiu manter aquela pose firme e hirta de estadista sério do princípio ao fim. Um pouco pior Louçã, com aquele ar sempre meio enervado. Jerónimo de Sousa e Passos Coelho ponderados e estruturados.

Agora Assis, a precisar de alguma coisa que o acalme e que o faça deixar de repetir o mesmo.

… mas a guerra continua.

NA RTPN, o melhor (Adelino Maltez, saudando que Portugal seja notícia na Europa por ter a democracia a funcionar) e o pior (Marina Costa Lobo, a lamentar que um governo de gestão não possa «tomar as decisões que o país precisa!» demonstrando o que é uma politóloga nada comprometida com a situação…).

Na SICN, Costa Pinto sem arestas e Luís Delgado a desdramatizar o próximo Conselho Europeu, no qual não parece que o nosso mundo vá acabar por ter sido chumbado o PEC4.

NA TVI24, não reconheci os falantes, nem tive direito a legendas. Diziam coisas banais, não se perde muito.

Agora o clone. Chiça!

Acaba de dizer a frase mais parva dos últimos tempos «Não escolhemos a Europa onde vivemos».

O que quer dizer isto?

Belo parlapatório na Assembleia da República, por causa de algo que se desenvolveu exactamente por falta de lhe darem atenção. Para além disso, com este atraso, nem o engenheiro consegue chegar atrasado, como de costume, a uma  ocasião oficial. Despachem-se. Estamod fartos.

… que deve merecer um outro tipo de homenagem.

Acabei de saber que a colega Rosário Gama recebeu a sua aposentação, em tempo estranhamente célere para o que é habitual. Alguém estava apressado por…

Não sei se lhe dê os parabéns, se…

e o TS abandona a sala.

Devido a obrigações ligadas a formação, só ouvi as intervenções de Heloísa Apolónia e Manuela Ferreira Leite. Estranha a ausência de Teixeira dos Santos durante este último discurso. A explicação dada por Jorge Lacão foi absolutamente despropositada.

A Mãe De Todas As Coreografias

Santana: Governo com PS, PSD, CDS e até PCP

Comentador da TVI faz apelo aos partidos para que se unam num Executivo de salvação nacional

Bruxelas questiona contas públicas de 2010

O Eurostat está em conversações com o INE para corrigir contas de 2010. Transportadoras e BPN justificam dúvidas sobre o défice.

O défice orçamental de 2010 está em risco de ser corrigido, ultrapassando claramente o valor inferior a 7% que tem sido adiantado pelo Governo, e furando a meta prometida ao país, à Comissão Europeia e aos mercados de dívida.

Défice de 2010 superior a 8% do PIB e acima dos 7% prometidos pelo Governo

O défice de 2010 pode ser superior a 8% do PIB, ou seja, acima dos 7% prometidos pelo Governo ao país, à Comissão Europeia e aos mercados

Alegre diz que é preciso «coragem» para fazer a paz

Manuel Alegre defende que é preciso mais coragem para fazer a paz do que a guerra, apelando a um consenso entre os partidos. O socialista criticou ainda a postura de Cavaco Silva.

Página seguinte »