Segunda-feira, 21 de Março, 2011


All Saints, Black Coffee

O que vale mais? Meditar numa taverna,
ou prosternado na mesquita implorar o Céu?
Não sei se temos um Senhor,
nem que destino me reservou.

[Omar Khayyan]


PEC: Reorganização da rede escolar para poupar 450 milhões

O Governo estima poupar 450 milhões de euros em 2012 e 2013 com a reorganização da rede escolar e uma melhor eficiência das aquisições por parte das escolas, segundo a proposta de actualização do Programa de Estabilidade e Crescimento.

Segundo o documento, entregue hoje no Parlamento, o «aprofundamento da racionalização da rede escolar» e o «aumento da eficiência no aprovisionamento» permitem «poupanças de cerca de 300 milhões de euros em 2012 e de cerca de 150 milhões de euros em 2013».

PCP separa PEC da demissão do Governo

Jerónimo de Sousa considera que chumbo a mais austeridade não é uma moção de censura, mas recorda que o PCP nunca excluiu a possibilidade de apresentar uma.

Embora a mim não me doa nada, caso se demita, seja demitido ou se escafeda, desta ou daquela maneira. Farto, fartinho.

Aqui.

pec pec pec, pecpecpec, ó-i-ó-ai

Da estratégia do SPGL de concentrar a contestação jurídica num único processo?

Adianto duas razões:

  • Não foi isto que foi prometido e amplamente noticiado. Se dá trabalho e é difícil a logística de muitos processos? É! Não sabiam disso antes?
  • Desta forma, basta uma derrota para tudo ficar perdido. Não defendo 10.000 processos, mas era essencial que fossem mais, que até deveriam ser de dirigentes, no sentido de se obterem decisões suficientes para se estabelecer jurisprudência como no caso das aulas de substituição.

Na minha modesta – e externa – opinião – isto é um erro estratégico crasso.

Sorte que amanhã tenho teste marcado com uma turma mesmo para as 10.05, ou acabava expulso da minha segunda reunião sindical, quando o de serviço tentasse explicar isto.

[aqui]

Amado admite que terá sido o Governo a abrir caminho para a crise política

Juncker não vê razão para alterar programa “já aprovado” em Bruxelas

O presidente do Eurogrupo disse hoje não ver “nenhuma razão” para alterações ao pacote de medidas suplementares de consolidação orçamental apresentadas a 11 de março pelo Governo português, recordando que o mesmo já foi aprovado pelos líderes da Zona Euro.

(…)
O Governo português tem manifestado a sua disponibilidade para negociar com a oposição o pacote de medidas suplementares de consolidação orçamental, desde que eventuais novas medidas permitam alcançar os mesmos objetivos, mas o PSD já recusou negociar com o executivo de José Sócrates o chamado “PEC IV”, que será debatido e eventualmente votado na próxima quarta-feira na Assembleia da República.

Que fricção.

Os abrantinos andam azedos. Porque será?

Um estadista na blogosfera

Quanto à pergunta, a tal coisa sobre o cheque-ensino, acho que a minha posição é clara e não ficou escura ao jantar. Aquietem-se, que eu não sou um galamba.

não há razões para ciúmes

 

tem de se arranjar uma mesa maior

TOMADA DE POSIÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

Exma. Senhora Directora da Escola Secundária da Amadora

Os professores da Escola Secundária da Amadora abaixo-assinados vêm apresentar uma moção manifestando as suas perplexidades face às incongruências do modelo de Avaliação de Desempenho Docente, conforme o estabelecido no Estatuto da Carreira Docente – Lei nº 75/2010 de 23 de Junho e regulamentado pelos Decreto Regulamentar nº 2/2010 de 23 de Junho, pelo despacho nº 14420/2010 de 15 de Setembro e pelo Despacho 16034/2010de 22 de Outubro que mantém, na sua essência, muitos dos aspectos negativos do anterior modelo, publica e nacionalmente contestado e recusado pela esmagadora maioria dos professores.

Considerando que este modelo apresenta enormes dificuldades de aplicação, nomeadamente:

-pela excessiva complexidade;

-pela falta de preparação específica dos relatores;

-pela acumulação de tarefas burocráticas com repercussão na prática lectiva.

Que este modelo é gerador de injustiças, porque:

-Aplica quotas superiormente estabelecidas impeditivas do reconhecimento do mérito e da excelência apresentadas como um dos princípios desta Avaliação de Desempenho Docente (art. 3º de DR 2/2010).

– Não garante a imparcialidade posto que avaliador, relatores e coordenadores são concorrentes numa mesma Carreira Profissional, sem que estejam garantidos os princípios da isenção e da ausência de incompatibilidade de interesses, decorrendo daí uma conflitualidade acrescida entre os docentes, contribuindo, assim, não só para um indesejável clima de trabalho mas ainda impossibilitando a cooperação entre pares, sendo este um dos indicadores apontados no actual modelo.

– É subjectivo e arbitrário, visto que os instrumentos de avaliação de cada escola poderão ser muito díspares.

-Não é transparente já que as classificações finais de cada professor não podem ser reclamadas a um órgão independente (veja-se art.º 22º, 23º e 24º do DR. 2/2010) impedindo a aplicação da lei geral que regula os princípios da justiça, da transparência e da imparcialidade.

– Não tem um propósito reconhecidamente válido; não revela um cariz formativo; não promove uma melhoria das práticas.

Destina-se essencialmente a garantir a progressão na carreira e esta encontra-se, desde Janeiro, congelada.

Os professores abaixo-assinados manifestam a sua discordância em relação ao modelo de avaliação em vigor e solicitam a promoção de uma discussão séria e alargada sobre a avaliação do desempenho docente, com vista a encontrar um modelo consensual, não burocrático, justo, que seja exequível, sem causar danos ao normal funcionamento das escolas, visando a efectiva melhoria do serviço educativo público, a dignificação do trabalho docente e promovendo, deste modo, uma Escola Pública de qualidade.

Do presente documento será dado conhecimento às seguintes entidades:

– Gabinete da Exma. Sr.ª Ministra da Educação

– Conselho Nacional da Educação

– Conselho Científico para a Avaliação de Professores

– Exmo. Sr. Director da Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo

– Conselho Pedagógico da Escola Secundária da Amadora

– Conselho Geral da Escola Secundária da Amadora

– Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Secundária da Amadora

Amadora, Março de 2011

No papel.

Um programa de Pacheco Pereira sobre ratos animados.

[ligação não disponível]


Licença Creative Commons
«Cedilha Perdida: Cão Manca» B.A.R. 20

Página seguinte »