Bem… o PS tomou a decisão acertada de não fazer avançar o pomposo Ricardo (Mãos Leves) Rodrigues para porta-voz neste debate. À partida, uma boa notícia.

Mas só à partida…

Porque o substituto é um daqueles cromos para lamentar que cresceram na nossa vida política e parlamentar desde jovenzinho jota irritante, fracturante e carreirista, passando por estágio bem remunerado nas Europas como muleta do velho Soares, até chegar a esta figura chocarreira, mal educada, pretensamente giraço e engraçado, com um discurso e uma atitude profundamente lamentáveis. Nota-se que Sérgio Sousa Pinto está de bem com a sua vida e o seu ego.

O problema é quem tem de o ouvir  e ver.

Que o partido maioritário na Assembleia o designe para uma intervenção teoricamente de grande importância formal (mesmo sendo a moção o que se sabia) é um desrespeito para a inteligência dos portugueses, por muito escassa que seja.

Numa tarde sem grande rasgos, claramente a maior nódoa. Mas nada que não se esperasse, atendendo aos sinais anteriores de acelerada degenerescência.