Boa tarde:
Somos um grupo de pais da Escola Visconde de Juromenha localizada na Tapada das Mercês, em Sintra e que já foi objecto de uma notícia na TVI devido ao seu encerramento por causa das chuvas.

Sim, escolas destas ainda existem, apesar de toda apropaganda lançada nos media relativa à renovação de parques escolares,  e, apesar de já ter sido considerada a pior escola (a nível de infraestruturas) do país mantém-se na mesma: Provisória há mais de 30 anos.
Infelizmente, o tempo passa mas a situação mantém-se o que nos levou a criar uma petição que descreve, de forma resumida, o que se passa na escola e que pode ser consultada no seguinte link.

 

Por este meio, vimos solicitar que sejam tomadas as providências urgentes e necessárias respeitantes às condições desumanas que os nossos educandos têm vindo a sofrer na Escola Visconde Juromenha.

Estas condições deploráveis verificam-se mesmo quando está bom tempo porque, como é sabido, esta Escola foi provisoriamente implantada há mais de trinta anos e de ano para ano tem vindo, gradualmente, a degradar-se.

Constatamos nas reuniões de encarregados de educação que neste espaço escolar não existe segurança nas salas de aulas porque todo o revestimento que envolve as estruturas está deteriorado, como a cobertura, as paredes, a electrificação perigosa, as portas que nem sempre funcionam bem. Verificamos, também, que nos dias mais rigorosos e de chuva, nas paredes escorre água e há goteiras que caem, por sistema, em várias carteiras. Nestas condições, é perigoso utilizar qualquer aparelho eléctrico, como por exemplo computadores, entre outros aparelhos eléctricos e audiovisuais, e até o simples uso de interruptores da luz. Constatamos que a humidade nestas salas é tanta que não se consegue escrever no quadro. Acrescenta-se que a inexistência de estores na Escola faz com que o frio e o calor se tornem insuportáveis, respectivamente, quer no Inverno quer no Verão. A situação agrava-se quando se constata a existência de um espaço escolar designado de “Pátio Coberto”, antigo “Espaço +”, actualmente conhecido por “piscina coberta” que se encontra, por sistema, nos dias mais chuvosos completamente alagado.

Os espaços para a prática desportiva também são precários (escassos, sem condições, e alagados quando chove) o que obrigam, por vezes, ao cancelamento das aulas de Educação Física. Em suma, tanto nas salas de aula, como noutros espaços, como o refeitório, casas de banho, e outras dependências da Escola em causa, não existem condições humanas para a frequência da população escolar.

No exterior, a situação agrava-se pela deficiente protecção entre as diversas salas utilizadas ao longo do dia pelos nossos educandos, por não existirem espaços interiores ou coberturas em condições para estes se resguardarem nos intervalos, visto que as existentes (telheiros) são muito deficitárias. Estas são algumas das situações que já levaram ao encerramento, desta Escola, por diversas vezes.

Por todos estes motivos, e por se tratar de uma questão delicada que põe em causa a segurança e a saúde dos alunos, professores e mais funcionários que ambicionam e merecem uma Escola condigna, solicitamos a construção da nova Escola já há mais de três décadas prometida.