… para que, no plano das ideias do pai da Constituição, ela deixe de o ser.

A lógica é semelhante à de renovar uma pena de prisão todos os anos, para conseguir que ela não seja considerada perpétua.

Mesmo que o que Jorge Miranda agora diz não corresponda ao peixe vendido pelo Governo a esse respeito, a verdade é que continua a cheirar muito mal.

Visão, 3 de Fevereiro de 2011