Segunda-feira, 31 de Janeiro, 2011


… na caixa de correio convencional. Não me apetece muito analisar a estratégia ou o produto, porque estou cansado e com mais que fazer. Não porque tenha negócios pendentes com a editora que patrocina, que os não há.

Apenas diria que, se não sou grande fã da ideia dos empréstimos tal como é concebida por quem anda fora da escola, também não o sou da política de produção de manuais por parte das maiores editoras – ou grupos editoriais – presentes no mercado.

Estudo sobre o impacto pedagógico, económico e cultural da implantação em Portugal de um sistema de empréstimo de manuais escolares

… que ontem me bateu na moleirinha e deixou meio enxaquecado.

Ou não. Porque já na véspera dissera o mesmo que sinto agora e mesmo há mais tempo, numa muito curta digressão política, mesmo a finalizar a sessão em Moura.

Há uma enorme crise de confiança na sociedade portuguesa, em geral, e na classe docente, em particular. Aos defeitos congénitos de uma nossa mítica maneira de ser, juntou-se a erosão do carácter (público e privado) de muitos daqueles com que nos deparamos na vida social, pessoal ou na esfera mediática.

Aquela crise de valores de que se fala sistemicamente, aquele bater no fundo que parece estar sempre a acontecer mais uma vez, a ausência de figuras inspiradoras de confiança e segurança, que mantenham a sua coerência para além da ocasião ou que, no mínimo, saibam mudar de acordo com a mudança das circunstâncias de um modo que se compreenda, para além do sofisma.

A sociedade portuguesa socratizou-se porque estava pronta para se socratizar e os muitos dos focos de anti-socratismo são, afinal, meros reflexos simétricos num espelho que devolve uma imagem só aparentemente diferente.

Dizia-me, e muito bem, uma colega hoje que este governo e a máquina que o envolve conhece muito bem o ser português nas suas fraquezas mais comezinhas, pois só assim se consegue uma manipulação tão eficaz das consciências que se anestesiam a si mesmas, num engano de auto-satisfação.

A encenação do conflito extremou-se com os sucessivos bluffs do sócrates-mor, que pouco depois se desmentia sem pudor sequer. E essa encenação foi sendo aceite sucessivamente por todos aqueles que se sentiram bem no papel, transitório e instrumental, de parceiros na coreografia.

A seu tempo e em seu tempo, quase todos foram colher um acordo, um compromisso, uma aliança de ocasião, à mão do sócrates-mor ou dos seus socratinhos (e socratinhas), enviado(a)s em sua representação, na falta do original.

Sobraram as franjas, voluntariamente (auto)marginalizadas, ou não, que procuram ainda não se deixar tomar pelos tentáculos lamacentos do pântano, agora sim pastoso como nenhum guterres o terá imaginado a acabar o século XX.

O século XXI português começou mal, como têm começado os últimos séculos da nossa história, com um regime político a definhar e à espera de um qualquer golpe que o agite, para tudo recomeçar de novo. Em Oitocentos foram os napoleónicos e os liberais que, em 20 anos, aceleraram a História da queda do absolutismo. Em Novecentos, os republicanos e carbonários façanhudos a acabarem com a Monarquia ao fim da primeira década. Em qualquer dos casos, a erosão das novas soluções foi rápida.

No novo milénio, contudo, corremos o risco de o definhar se vir a prolongar e se assistir à regeneração da decadência numa variação do modelo rotativo. Porque não nos deixemos enganar, que o que está em causa é apenas a redistribuição do que é negociado à mesa do orçamento por diferentes canais (que há uns mais secos do que outros), não é sequer a redefinição dos ditos canais.

O país socratizou-se como em devido tempo se tinha salazarisado, por comodismo, apatia, receio de que o que viesse fosse ainda pior. E, neste processo indolente, a própria oposição ao socratismo se tornou uma sua emanação, com uma espécie de aspirantes a sócrates, sócrates-mirins ainda, a tentar copiar-lhe os tiques de sucesso: a aparente firmeza, a habilidade em dizer a mesma coisa e o seu contrário sem rebuço, o incentivo à inveja mesquinha, o dividir para reinar entre os pobres de espírito, a transformação de derrotas evidentes  em vitórias mediáticas, a instrumentalização do Estado em favor de uma facção, a cooptação de figuras de toque do campo adversário (caso dos júdices e marinhospintos), a eliminação hábil das oposições de proximidade.

E se tudo isto é no país, o que dizer – regressando quase ao início – à chamada classe docente? Limita-se a ser um dos espelhos do país. A vidinha está vitoriosa e, um pouco como escreveu Eduardo Lourenço sobre o contexto pós-revolucionário, é como se nada (fascismo, perda do Império, revolução, naquele caso) tivesse acontecido (manifestações, protestos inflamados, abaixo-assinados esmagadores, greves com 101% de adesão).

Nem de propósito é do ano em que nasci… e o Festival até era ali por Março…

… de todos os que preferem que se ocultem os desânimos, as divergências, as incompreensões. Quem prefere a névoa cinzenta à clareza das coisas.

Tal como em outras situações, não gosto de calar o que sinto ou escondê-lo. Há quem goste de apelidar isso como vaidade ou quezília, mas é apenas sinceridade.

Seria mais simples não escrever o post abaixo, fingir que não vi, passar adiante, ser estratega, sorrir e assobiar para o lado.

Lamento se não consegui.

Não é apenas a servida e alimentada pelo ME. É aquela que resulta do triste espectáculo de quem é vocalmente muito agressivo contra tudo e mais alguma coisa, mas depois – quando lhe colocam a função de relator nas mãos – não a recusam e elaboram longos relambórios a demonstrar discordância ou – li há bocado e não queria acreditar – salvaguarda.

Acho da mais básica incoerência clamar pela demissão de tudo e mais alguma coisa ao longo dos tempos, gargantear coragens diversas, fazer ameaças de quase agressão física, mas depois salvaguardar-se e fazer o que lhe(s) mandam. Há quem não consiga dizer NÃO quando está em jogo um certo nível de vaidade. É como o vegetariano que come carne, mas com declaração de objecção de consciência. É lamentável. Mas cada um dorme com a sua consciência.

A farsa da ADD passa tanto ou mais por aqui, quanto pelos corredores do ME.

Et tu, Octavius?

 

Sócrates diz que “educação é o grande projecto para Portugal”

Mais de 1200 alunos já cancelaram este ano a inscrição só em três das universidades

Passos quer que Governo apresente plano de reestruturação do sector público empresarial

Homicídio de Carlos Castro. Renato Seabra vai declarar-se inocente

(…)

“Garanto com 100% de certeza que o Renato Seabra se vai declarar inocente. Não fazê-lo seria dar um tiro no pé porque a defesa precisa de tempo para se preparar e reunir o máximo de documentos e exames psiquiátricos possíveis para conseguir um crime mais baixo ou uma redução de pena”, justifica Tony Castro.

« Página anteriorPágina seguinte »