Segunda-feira, 24 de Janeiro, 2011


Destroyer, Kaputt

O cd sai amanhã, são canadianos, a música relembra algo que parecemos já ter ouvido algures, mas… e não se deixem enganar pelo início do vídeo…

😀

Anúncios

Para responder à inundação (enquanto eu já tirei as galochas do armário), chegaram mais instruções há meia hora às escolas e agrupamentos:

———- Mensagem encaminhada ———-
De: <DGRHE.MEducacao@dgrhe.min-edu.pt>
Data: 24 de janeiro de 2011 22:01
Assunto: Reclamações – cortes salariais
Para: DGRHE.MEducacao@dgrhe.min-edu.pt

Exmº (a) Senhor(a) Director(a):

Conforme orientação dada pelo Sr. Director Geral do Recursos Humanos da Educação, as respostas às reclamações que forem apresentadas pelos docentes e não docentes do agrupamento ou escola que V. Ex.ª dirige, a respeito dos cortes salariais decorrentes da aplicação das medidas previstas na Lei n.º 55-A/2010, Lei do Orçamento de Estado, têm de seguir o modelo que existe para o efeito. Assim, caso receba alguma reclamação deve solicitar-nos a minuta para poder responder, usando o seguinte endereço: reclamacao.escolas@dgrhe.min-edu.pt

Com os melhores cumprimentos,

A Directora dos Serviços Jurídicos

Susana Castanheira Lopes

 

E não necessariamente do resultado das eleições.

Pode bastar uma hora e pouco e perceber-se que as três semanas anteriores para nada ou quase nada serviram. Como não devo apresentar evidências que traumatizem as consciências de alguns leitores e despertem furores éticos, não me prolongarei. Apenas direi que acho normal que alguém se lembrasse do que foi sendo lido na aula ao longo de horas, comentado e registado num guião e, já agora, que aos 10-11 anos – a menos que exista problema grave diagnosticado – se saiba escrever, no mínimo, escrever o nome próprio à segunda tentativa, depois de um primeiro aviso. E, se não for pedir muito, que seja com maiúscula inicial e as restantes minúsculas, que isso o Acordo Ortográfico não cilindrou.

Cientista estima que 24 de Janeiro é o dia mais deprimente do ano

Alternativa

1 Projecto

Venho partilhar práticas, esquemas e conceitos alternativos. Partilhar apenas. Nada disto pretende ser único, completo e muito menos definitivo.

Outras didácticas serão possíveis, desde que funcionem e produzam os efeitos desejados, com eficácia (também aqui é importante o critério universal da economia). Porque o que aqui está em causa não é a escolha de uma qualquer didáctica, entre as muitas que possam existir, ao gosto de cada um. O que aqui está em causa é a necessidade de modelos de abordagem, unos (que não únicos), coesos e coerentes, que estruturem a comunicação, estruturando também, por essa via, o pensamento dos alunos do 2º ciclo do ensino básico. Se a escola não potenciar, nos seus educandos, essa condição de autonomia, alguém, mais tarde, os formatará, com facilidade e proveito próprio…

Retomemos, então, a ideia de projecto. Formalizá-lo é condição necessária; a coesão, a coerência e a consequência, atributos indispensáveis. Se o fizermos e o fizermos assim, teremos conseguido algo que, no mínimo e por estranho que pareça, é muito pouco visto no nosso ensino:

João de Brito

Tabelas Salariais 2011

Parte 2 (talvez a melhor)

Parte 3

Página seguinte »