Os meus pais tinham a 4ª classe, ele operário, ela doméstica. Eu era um puto dos arredores de uma vilória suburbana, entre o rural e o urbano. Aos 10 anos (as edições são de 1973, mas eu arredondo as contas) conseguia ler isto sem grandes problemas e percebia. Não era o único entre os meus conhecimentos, tudo de gama baixa. Não éramos génios.

O estado dos livros revela as camadas de leituras, ano após ano. Havia a biblioteca da Gulbenkian a cerca de um km de distância. A biblioteca familiar era moderada. Havia impaciência e desejo de conhecer algo de fora para dentro de nós. Eu sei, agora há telemóveis e consolas. Mas a função não é a mesma.