A situação 1

As pessoas comunicam num discurso cada vez mais pobre de recursos significantes. Admitido publicamente pelos implicados, já não se redigem nem as leis com o rigor necessário. Por este andar, um dia, não muito distante, teremos de recorrer ao inglês, para construir e interpretar o nosso edifício legislativo. Será a machadada final na já precária soberania que nos resta. Além disso, perderemos também a pátria, porque a nossa pátria é a língua portuguesa!

Gramáticas, programas e, acerca de ambos, interpretações e reflexões, com muitas citações e infindáveis bibliografias, sempre houve. Também sempre houve estágios pedagógicos orientadores do modo como dar aulas e conteúdos, que os professores foram adoptando, acriticamente, para toda a vida! O que é muito mais difícil de encontrar são verdadeiras didácticas para o funcionamento da língua. Didácticas operativas, organizadoras dos conteúdos, que façam do ensino do português um verdadeiro projecto.

Os manuais seguem os programas e os professores seguem os manuais. Os conteúdos são ministrados de forma avulsa. Peças encaixotadas (quantas vezes de marcas diferentes!) de um motor por montar. Motor que, assim, nunca funcionará! De facto, de que serve, aos alunos do 2º ciclo do ensino básico, esse amontoado de conteúdos, respigados de diferentes abordagens, sem coesão nem coerência, de que são feitos os programas e os manuais?! Mais do que inútil, é perverso! Porque, em vez de formar, deforma!

João de Brito