… ou como eu consigo dormir com a consciência muito descansada e sabendo que o pouquinho que fazemos por aqui (o plural não é majestático, inclui um punhado grande de gente que trabalha e apoia muito este espaço) não é inútil como alguns tentam insinuar e, quando a poeira assentar, se revelará mais do que um mero epifenómeno.

Ora bem… porque sou eu assim quezilento e cedo à tentação da bílis?

Porque estou cansado de acusações parvas, insinuações enviesadas e ressabiamentos sem sentido.

Vou transcrever, com autorização do emissário e autor do parecer, parte do pedido que me chegou há algumas horas à caixa de mail.

Na sequência do meu mail de ontem, dia 28/12, (…) vinha perguntar-lhe se me autoriza a disponibilizar o Parecer a Colegas, Associações Sindicais e outras entidades que mo têm solicitado, designadamente para o utilizarem nas suas actividades e tomadas de posição.

É óbvio que a minha resposta foi positiva, até porque o parecer já se foi colocado online no blogue em devido tempo. Não deixa é de ser curioso que a solicitação seja feita quando sabem que já está tudo pago, por um grupo de gente que teve a gentileza de dar apoio ao que se percebe ter sido uma péssima ideia minha, sem qualquer utilidade.

Prometi e cumprirei não divulgar quem fez o pedido que me deveria ter sido endereçado – se fossemos ser corteses, como soube ser um par de sindicatos que me pediu logo o acesso ao parecer preliminar em Novembro – como face visível do pedido e pagamento do parecer.

Mas que ficarei a perceber quem esperou para se encavalitar no lombo forte aqui da malta, lá isso ficarei. E esperarei para ver se têm, ao menos, o pudor de não se arvorarem em heróis.

E já agora… se quiserem contribóir… sintam-se à vontade…