Quarta-feira, 29 de Dezembro, 2010


LCD Soundsystem, All My Friends

TC aceita candidatura de José Manuel Coelho

Educação: Os desejos para 2011

Agora na RTP1. Vou ver. Porque… sei lá…

Fica aqui para benefício (e choque) de todos aqueles que ainda não perceberam a bigorna que lhes vai cair em cima.

Projecto de Despacho OAL2011


 

 

… ou como eu consigo dormir com a consciência muito descansada e sabendo que o pouquinho que fazemos por aqui (o plural não é majestático, inclui um punhado grande de gente que trabalha e apoia muito este espaço) não é inútil como alguns tentam insinuar e, quando a poeira assentar, se revelará mais do que um mero epifenómeno.

Ora bem… porque sou eu assim quezilento e cedo à tentação da bílis?

Porque estou cansado de acusações parvas, insinuações enviesadas e ressabiamentos sem sentido.

Vou transcrever, com autorização do emissário e autor do parecer, parte do pedido que me chegou há algumas horas à caixa de mail.

Na sequência do meu mail de ontem, dia 28/12, (…) vinha perguntar-lhe se me autoriza a disponibilizar o Parecer a Colegas, Associações Sindicais e outras entidades que mo têm solicitado, designadamente para o utilizarem nas suas actividades e tomadas de posição.

É óbvio que a minha resposta foi positiva, até porque o parecer já se foi colocado online no blogue em devido tempo. Não deixa é de ser curioso que a solicitação seja feita quando sabem que já está tudo pago, por um grupo de gente que teve a gentileza de dar apoio ao que se percebe ter sido uma péssima ideia minha, sem qualquer utilidade.

Prometi e cumprirei não divulgar quem fez o pedido que me deveria ter sido endereçado – se fossemos ser corteses, como soube ser um par de sindicatos que me pediu logo o acesso ao parecer preliminar em Novembro – como face visível do pedido e pagamento do parecer.

Mas que ficarei a perceber quem esperou para se encavalitar no lombo forte aqui da malta, lá isso ficarei. E esperarei para ver se têm, ao menos, o pudor de não se arvorarem em heróis.

E já agora… se quiserem contribóir… sintam-se à vontade…

O que mais me espanta é o aparente espanto de alguns directores, em especial os que pertencem a organismos, órgãos, associações ou conselhos que tinham obrigação de estar a par do que está definido, pelo menos em traços gerais, desde Outubro.

Então a parte das rendas à Parque Escolar e os custos com a manutenção das escolas intervencionadas até tem sido tema de notícias de jornal – já que sabemos que alguns directores têm asco por navegarem em blogues – mas é possível que quais cavacos em idos de 90, não tenham tempo para ler jornais de tão assoberbados pela governança.

Ainda maior é o pasmo  quando certos espantos surgem de quem tem reservas quanto à utilidade dos directores se (re)unirem contra isto.

Escolas têm mais despesas, mas vão ter menos dinheiro já a partir de Janeiro

(…)

“É muito. Fiquei espantado”, disse ao PÚBLICO o presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Adalmiro Fonseca, que confessa estar “muito preocupado” com as consequências: “É uma redução que não vai ser possível para as escolas. Já agora a ginástica que se tem de fazer para honrar pagamentos é tremenda. Não sei como vou conseguir suportar a factura da electricidade, do telefone e da água. E é provável que, em muitas escolas, a maior parte dos projectos que têm vindo a ser desenvolvidos seja interrompida”.

Adalmiro Fonseca, que é director da Escola Secundária de Oliveira do Douro, lembra que vão ter que viver com menos dinheiro numa altura em que as despesas estão a disparar. Os estabelecimentos que foram sujeitos a obras terão que pagar rendas à empresa Parque Escolar – cerca de 500 mil euros em 2011 – e a climatização das escolas mais do que duplicou a factura da electricidade. “Só nos faltava mais este corte. Não auguro nada de bom para as escolas no próximo ano”, confessa Adalmiro Fonseca.

Página seguinte »