Pode parecer que levei parte da minha infanto-adolescência a ler Enid Blyton e é mesmo verdade, até ali por volta dos 12-13 anos…

Neste caso, talvez fosse premonitória a predilecção pelo Gordo…