há por aqui alguma matéria para pensar

O secretário de Estado da Administração Pública, Gonçalo Castilho dos Santos, fez várias apresentações ao longo do dia para explicar como funciona o sistema. A ideia foi mostrar que “os números da greve não são números do Governo, mas dos serviços” e que “o Governo não trabalha por palpite”.

Os dados apresentados mostram que os ministérios mais afectados pela greve foram o da Justiça (51,3), das Finanças (43,3), da Saúde (38,6) e da Educação (26,5 por cento), o que se traduziu no encerramento de mais de duas mil escolas, de vários tribunais e serviços de registo e notariado e de todas as repartições de Finanças. Nenhum centro de saúde fechou portas, garantiu o secretário de Estado, que fez questão de realçar que “a grande maioria dos trabalhadores não aderiu à greve e que a maioria dos serviços esteve de porta aberta”.

A ideia não é apontar dedos… é considerar se, a partir daqui, não será mais adequado promover lutas sectoriais estruturadas em torno das reivindicações específicas de cada sector, para além das salariais…