Aprovada ontem para as empresas públicas. É hoje motivo de debate no Parlamento, não se percebe bem porquê. Afinal o que se irá ver, no final, é que os cortes salariais serão extremamente selectivos e atingirão quase exclusivamente grupos profissionais específicos da função pública.

Quando isso for percebido, aposto que um conjunto de greves sectoriais sucedendo-se no tempo terão uma fortíssima adesão.

É uma mera opinião, claro…

Entretanto, há quem, à esquerda, estranhamente, já tenha aberto a porta ao Governo, ao dizer que esta alteração poderá tornear a inconstitucionalidade da norma.

Não é bem assim… mas é de anotar esta forma de estar…