Segunda-feira, 22 de Novembro, 2010


David Bowie, Under Pressure

É já a seguir.

Será que o 2º episódio da nova série do House acaba antes do início do P&C? O arranque foi de antologia.

Houve melhor, antes e depois desta cena…

 

Linkin Park, Waiting for the End

Seis estrelas numa escala de cinco. Feita à medida…

Eu continuo a achar, ao contrário de alguns aconselhamentos sindicais meio zézinhos, que esta é a leitura correcta e mete-se impressão estar de acordo com a DREN (que agora querem extinguir, depois de tão bem ter servido de casa de acolhimento a uma ex-sindicalista de pêlo na venta…).

Mas eu já cheguei à fase… pronto, ok, discordo, mas façam o que entendem...

Um comboio Lisboa – Madrid, só com 45 passageiros (mas vale a pena ver o tamanho do comboio para transportar 45 pessoas), choca com uma vaca e descarrila. Um técnico português não faz a mínima ideia como vão reparar a linha “é um material muito especifico… é um comboio”, já na reportagem da TVI, o técnico Espanhol explica como o vão fazer.  Ainda temos direito a ver um pedaço de vaca na linha do comboio.
Recolha e comentário do Calimero Sousa.
Estou a resistir a avacalhar mais a coisa…

Ensino deverá ser a nova área de expansão das PPP

Nos últimos cinco anos foram 44 os projectos contratados em regime de concessão e PPP, associados a investimentos de 17 mil milhões. Com a situação a que chegaram as contas públicas, o Estado poderá vir a delegar mais das suas funções.

Isto irá passar pela Parque escolar e a sua intervenção na gestão escolar.  Mas não só. Mesmo no sector que permaneça público-público, as Direcções irão receber uma transferência financeira para gerirem como entenderem…  bem mais magrinha do que a actual… e iremos ver como o objectivo final seja o contrato individual de trabalho, com remuneração-base minguada e eventuais compensações pelos resultados.

Claro que no caso dos contratos com os privados a gestão também irá ser apertada e sabemos bem que é apertado no final da corda…

Não vou analisar os resultados, apenas assumir o que há pouco fiz, não sei se com a explicação mais clara do mundo, em declarações a uma jornalista: não irei fazer greve. Poderia elaborar agora, mas acho que já expliquei porquê em várias ocasiões. As menores não serão o facto de, de acordo com quem a convoca, ela não ser contra o Governo e já ter sido declarado pelos líderes das centrais sindicais que é melhor o OE aprovado do que não. Perante isso, acho que não tenho grandes motivos para demonstrar num dia que estou desagradado com o governo e a governação. Até hoje acho que já passaram 326 dias deste ano em que o tenho claramente demonstrado.

Este post não se destina a suscitar nova controvérsia em centenas de comentários, até porque gostaria que guardassem energias para o acompanhamento do Prós & Contras de logo à noite, onde tenho imensa curiosidade sobre a argumentação que irá ser usada pelos diversos protagonistas em relação à redução salarial prevista no OE.

Lusa, 14.38:

Sócrates espera que ajuda à Irlanda acalme os mercados e trave a especulação

18.55:

Alerta da Moody’s para a Irlanda deprime moeda europeia

19.10:

Ibex-35 quebra fasquia dos 10.000 pontos em sessão de incerteza na Europa

Receios de contágio da crise da dívida na Irlanda penalizaram praça madrilena, que cai mais de 16% no acumulado do ano.

Este demite-se após pedir ajuda ao FMI e aprovação do OE.

Cowen dissolve parlamento após Orçamento e anuncia eleições para 2011

Por cá, o engenheiro faz ameaças sobre ameaças e os ingénuos (?!) vão na cantiga…

Cortes na função pública chegam ao Provedor

A Provedoria de Justiça já recebeu três queixas com dúvidas sobre a constitucionalidade dos cortes salariais aos funcionários públicos.

O Provedor, José Alfredo de Sousa, admite tomar uma posição depois da norma ser publicada.

“Só depois de existir uma norma publicada é que o Provedor tomará uma decisão, já que neste momento – só com o anúncio de intenção – não está nas suas competências”, revelou ao Diário Económico fonte oficial da Provedoria da Justiça.

A certeza é que, efectivamente, só se pode pedir a análise de uma lei depois de publicada.

A incerteza tem muito a ver com este Provedor que… não sei… não me desperta grande entusiasmo…

Belo encorajamento que este amigo nos traz…

Diário Económico, 22 de Novembro de 2010 (sem link)

Foi ele que um dos que a CGTP e a UGT decidiram trazer para dar apoio à greve geral. Que tipo porreiro… Será que, por exemplo, ele percebe a diferença entre emprego de baixa qualificação na indústria e emprego qualificado na função pública?

Compreendo a ideia da flexisegurança, mas na Alemanha, na Holanda e na Áustria. Aí pode fazer sentido. Digamos que isto é uma espécie de eduquês sindical…

The Rapture, No Sex for Ben

Encontro com Pedro Passos Coelho

Fenprof defende extinção das direcções regionais de Educação

Eu acho feio desejar a tantos ex-camaradas que voltem para as escolas… Mas o que respondeu o interlocutor?

Encontro com Pedro Passos Coelho

FNE vai ter maratona de reuniões com PSD sobre problemas da Educação

Maratona? Tem algum acordo previsto no final? Que eu saiba vão informados do que devem… Agora…

… quanto poderia, atendendo à forma como as coisas foram sendo feitas. Ficam aqui apenas alguns elementos fotográficos da reconversão de um dos liceus históricos de Lisboa. Claro que nenhuma intervenção se faz sem perturbações, mas há riscos que é muito complicado correr…

… que com duas semanas de aulas o estado de um dos liceus históricos intervencionados em Lisboa estava neste estado. Afinal, as coisas até não correram tão mal, em termos de consequências, como podia ter acontecido…

As fotos (que fazem parte de um pacote bem maior) são de Outubro de 2009, já tiveram circulação pelo ME, mas só me chegaram há alguns dias…

E o que dizer da Música e Educação Física, espaço privilegiado para os biscates?

E as AEC parecem um faroeste da Educação, tantos são os atropelos nas contratações feitas a npreço da chuva. A regulação está no papel e a fiscalização inexiste.

As escolas desenrascam-se como podem, muitas vezes sob prssão das câmaras e associações de pais. É melhor do que nada, mas é pouco mais do que isso.

Inglês. Irregularidades enchem as salas do 1.º ciclo

… em tempos que já lá vão, ali à entrada deste milénio, por aprendizes de feiticeiro como Miguel Fraquilho e mais alguns que estão aí de volta, agora à sombra de Passos Coelho, sempre muito entusiasmados com a nova novidade inovadora.

Houvesse vergonha… e estes teóricos de aviário ao menos deveriam explicar porque a sua fórmula mágica falhou, sem recorrerem, quais socratinhos, à conjuntura internacional e nunca a falhas suas…

Irlanda abre falência e pede socorro ao FMI/UE

Sondagem TVI: PSD à frente, mas sem maioria absoluta

PS foi o partido que mais desceu nas intenções de voto em relação ao último mês

Junho 2001