… o Orçamento de Estado, na generalidade, no Parlamento, quando tudo o que havia a decidir e discutir já o foi cá fora, seja nos gabinetes de uns, na casa de outros ou nos estúdios televisivos?

Quando a democracia, na sede essencial do seu funcionamento, se torna um espaço meramente coreográfico, algo está muito mal.

Temos 230 representantes eleitos substituídos por dois negociadores não eleitos e uma dezena de porta-vozes mediáticos.

Realmente há que racionalizar recursos…