Terça-feira, 21 de Setembro, 2010


Goldfrapp, Rocket

(a Allison está em forma)

Nem é a questão do tempo, é mais a de exaustão. Desta vez fica mesmo por tópicos. Em devido tempo, sei lá se amanhã ou depois, eu pinto o cenário todo, como o vejo pelos olhos dos cardeais dos santos:

  • Necessidade de reduzir despesa directa do ME e do seu peso no Orçamento de Estado.
  • Reforço dos mega-agrupamentos para reduzir as unidades orgânicas ou lá o que agora chamam aos ajuntamentos de escolas.
  • Pressão para a assinatura de contratos de autonomia pedagógica e financeira.
  • Acordos com autarquias para aumento da transferência de competências.
  • Definição de orçamentos por unidades-coiso, com base nos termos do contrato de autonomia, da avaliação feita pela IGE e por metas estatísticas de sucesso a atingir.
  • Gestão local do recursos humanos (pessoal não-docente pelas autarquias, docentes pela direcção) numa perspectiva de contenção de custos.
  • Atomização dos concursos, quase em exclusivo para contratação. Concurso nacional apenas em 2013, se antes não mudarem as regras todas.

O que eu acho é que há quem seja mais papista do que o papa teixeira e ande a empatar as coisas a quem já penou demais…

Boa noite

O que se passa com a avaliação intercalar ou extraordinária?
Fiz parte do grupo que tive esta “coisa” e de acordo com a legislação, deveria mudar de escalão em Agosto.
Bem… na secretaria anda tudo às aranhas. Falam para a DREL e nada.
Mandaram um fax a pedir orientações e responderam pelo telefone que parassem com todos os procedimentos.

E agora nem pelo telefone. A nossa directora deslocou-se à DREL para tratar de outros assuntos e relativamente às progressões apareceu um muro de silêncio e de empurra de um lado para o outro; alguém terá dito para parar. Quando pretenderam contactar telefonicamente essa pessoa… desapareceu… indisponível… telefone não público etc…
Mas nada de respostas por escrito.

Sabes de alguma coisa?

Obrigado.

J.

Caro Paulo,
.
Estranho ou não, na RAM, Região Autónoma da Madeira, já desde o ano passado que há alguma falta de professores de Filosofia, História ou Geografia. Os colegas devem estar atentos às ofertas em: http://www.madeira-edu.pt/
Para o caso específico da filosofia podem-me contactar a partir do meu e-mail que eu dou pormenores. A qualquer momento podem ser preenchidas, mas neste momento há pelo menos 2 horários completos de filosofia para serem preenchidos.
.
Agradeço a divulgação e um abraço,
.
Rolando Almeida

A colega que me mandou o mail também andou pouco depois a documentação (em particular a carta mencionada) que fundamenta a sua denúncia:

Boa noite,

É necessário denunciar a esta escandalosa injustiça de oferta de escola. Concorri à Escola Secundária Monte da Caparica.
A escola apresentava 8 critérios para 1 horário completo: 4 objectivos e 4 subjectivos.

A pessoa seleccionada está no fim da lista de ordenação, nº 532 (graduação 18,010). Eu concorri e estou na lista de ordenação com o nº 277 – grupo 430 (graduação 22,127). Enviei carta registada com aviso de recepção a solicitar a lista ordenação e a ponderação …

Até à data nada.  Urge denunciar estas situações.   Estas situaçõeS são recorrentes e deixo aqui um caso concreto mas estamos cheios deles.
Parabéns pelo sua excelente página e denuncie todas estas situações escandalosos.
Cumprimentos e um muito obrigado.
.
Maria de Fátima R. P.
Olá Paulo,
(…)
No entanto tenta lá esclarecer-me, pois sou Prof.Bib. pela portaria 756/2009 desde 1/9/2009 e segundo esta nos seu artigo 2.º diz o seguinte:
Designação de professores bibliotecários
1 — Em cada agrupamento ou escola não agrupadadeve ser designado para o exercício da função de professorbibliotecário um ou mais docentes, independentemente donível de ensino ou da categoria a que pertençam, tendo em conta a tabela constante do anexo I da presente portaria.

2 — Os docentes que se encontram no exercício de funções de professor bibliotecário são dispensados da componente lectiva, excepto se o número de alunos matriculados no agrupamento ou escola não agrupada for inferior a 400, cujo professor bibliotecário tem uma redução da componente lectiva de treze horas.”

Com as revisões do ECD 270/2009 e 75/2010 e regime de avaliação dos docentes 2/2010 e mais o presente 926/2010 os Profs.Bibs. passam a ter por equiparação componente lectiva e consequentemente a usufruir da componente não lectiva para preparação de actividades com alunos.
Daí que a presença a tempo inteiro dos Profs.Bibs. , mesmo que sejam coord. da BE, na escola (tal como vendo sendo advogada pela RBE e a contento de muitas direcções) deixe de ser condição necessária. Assim passa o horário a ser de 26 horas/tempos lectivos e não de 35 horas.
.
Vê lá se me sabes esclarecer…
.
M. F.

O documento, que está a ser distribuído aos directores e me foi cedido pela equipa do Ad Duo, merece ser lido na totalidade (ProgramaEduc2015 ). Em seguida deixo dois nacos, o estatístico e o da monitorização.

Monitorização e avaliação do programa, nos vários níveis de execução: nacional, concelhio, de cada agrupamento e de cada escola

O Ministério da Educação acompanhará e apoiará o desenvolvimento do programa disponibilizando informação, apoio técnico e divulgação de boas práticas.
No ano lectivo 2012/2013 será feita a revisão das metas nacionais, na sequência de avaliação do progresso realizado.

À semelhança do que tem sido realizado com êxito noutros países, a definição de indicadores e metas para o Sistema Educativo Português cria um referencial quantitativo, que permitirá:
– A cada agrupamento, monitorizar a evolução dos seus próprios resultados, comparar resultados entre escolas e definir as metas que se propõe alcançar em cada ano lectivo.
– Aos responsáveis autárquicos, monitorizar a evolução no seu concelho e intervir em conformidade.
– Ao Ministério da Educação, avaliar e monitorizar com maior rigor a evolução a nível nacional, verificar a convergência com as metas internacionais das estratégias EF2020 (UE) e Metas educativas 2021 (OEI), tomar medidas apropriadas e informar o país.

A seguir espero mostrar como tudo isto se encaixa num novo modelo, quiçá paradigma mesmo, disto tudo… Atenção às metas concelhias…

Entretanto… reparem… as metas de apredizagem continuam por aparecer… mas as estatísticas estão todas medidinhas…

Premissas:

  • A obrigação, via Europa Alemã, de antecipar um projecto de Orçamento de Estado pode vir a dar a conhecer antecipadamente a estratégia de congelar as progressões na Função Pública.
  • Os procedimentos para o novo ciclo de avaliação, conhecidos há poucas semanas, podem, deste modo, revelar-se pouco motivadores para todos aqueles que percebam que, por muito que se esforcem e peçam aulas assistidas e tal, não irão progredir a curto-médio prazo.
  • O secretário de Estado Ventura aparece a sugerir um novo modelo de avaliação externa das escolas em que os resultados dos alunos e avaliação dos docentes (incluindo das aulas observadas) possam ser variáveis importantes na classificação final de escolas e agrupamentos.

Cenário:

  • Direcções de escolas e agrupamentos pressionadas para pressionar os seus corpos docentes a pedir avaliação com todos os requisitos para melhorar a avaliação da própria escola/agrupamento e, por essa via, alargar a quota de Muito Bons e Excelentes a atribuir (mesmo que só sirvam de alguma coisa entre 2015 e 2020), o que também pode funcionar como cenoura para aliciar os potenciais avaliados.

Já agora leiam este estudo e não desprezem os sinais vindos daqueles que, subitamente, voltaram a apoiar a avaliação e remuneração dos docentes com base nos resultados dos alunos…

Desvinculação Laboral

Ou andam à pesca ou as equipas de tio patinhas do amigo Teixeira dos Santos arranjaram maneira de fazer descer os gastos do ME, nomeadamente com o pessoal. Aguardo confirmação por fontes adicionais para acrescentar medo ao susto.

Isto dos turnos, com o Fafe a pegar no serviço depois de eu sair está a começar a ser divertido, porque damos a volta ao relógio.

Digamos que é uma espécie de grande crescendo antes da erupção, quiçá apocalíptica…

Pais fecham Centro Escolar de S. Martinho da Cortiça

Decisão já estava “na forja” e ontem foi “ratificada” por pais, encarregados de educação e junta. Segue-se uma providência cautelar

Os encarregados de educação dos alunos do Centro Escolar de S. Martinho da Cortiça, concelho de Arganil, vão interpor, com o apoio da Junta de Freguesia, uma providência cautelar com vista a que a Direcção Regional de Educação do Centro (DREC) não concretize o seu plano de turmas, que consideram, não só «errado», como «ilegal». Uma medida que começa hoje mesmo, de acordo com o presidente da junta, Rui Franco, a ser tratada pela autarquia local. Mas há mais, a escola vai ser fechada hoje a cadeado, logo ao princípio da manhã.
A decisão foi tomada ontem, depois de uma reunião alargada, entre encarregados de edução, director do Agrupamento de Escolas de Arganil e Direcção Regional de Educação do Centro. Se antes do encontro, pais e encarregados de educação já não tinham “grandes” expectativas relativamente à satisfação da exigência de mais um professor na escola, a reunião confirmou isso mesmo. Ou seja, de acordo com Rui Franco, a informação vinda da DREC, através do director do Agrupamento de Escolas confirmava o pior: «não há terceiro professor» para o Centro Escolar de S. Martinho da Cortiça.
(continua…)

… e a concorrência é sempre passível de melhorar o desempenho dos alunos na corrida à senha e à refeição. E há sempre a liberdade de escolher não almoçar, almoçar fora da escola ou chatear quem almoça até largarem a comida.

 Se encararmos isto mais numa pespectiva de Esquerda pode promover hábitos de partilha comunitária.

Crianças impedidas de almoçar na escola

A Escola Básica de 2º e 3º ciclos da Pontinha, recentemente remodelada, está a servir apenas 60 refeições para mais de 600 alunos. “Há alunos que passam o dia na escola e não almoçam. A semana passada só vendiam 30 senhas de refeição, esta semana passou para 60”, queixava-se ontem ao CM, à porta da escola, Fátima Romão, 34 anos, mãe de uma aluna do 5º ano. Também indignado estava Jorge Antunes, 47 anos: “tive de vir buscar o meu filho porque já não havia senha para ele almoçar. É uma vergonha”.

Agora a sério, isto é apenas mais uma medida do plano nacional contra a obesidade infanto-juvenil…

Porque parece que têm uma coligação de Cavacos, Jerónimos e Louçãs à espera no sítio do costume:

FMI não prevê aterrar na Portela

As famílias a escolher a escola ou as escolas a escolher os alunos?

Cavaco Silva, na inauguração de uma escola Básica no Bairro Padre Cruz, (Escola Aida Vieira?)  fala sobre a exigência do ensino e os padrões europeus. António Costa sobre a fixação de população.
.

Cavaco avisa: «Direito à educação não é luxo nem prémio»

Presidente da República apela à responsabilidade de «todos» e fala directamente para os pais.

Cavaco foi à escola «fixe». E se não era campanha, parecia

Presidente recebido por algumas dezenas de pais em euforia. Os mais pequenos ficaram surpreendidos com a sua idade…

Cavaco Silva diz que Educação é desígnio de todos

Aeroportos portugueses continuam a perder passageiros

… ainda bem que o nosso capo também é técnico aeroportuário, só de falcon, transportes e tudo na-é com ele, o poceirotista e fricovabeirento,  é mais seguro fugir a monte!

Mas concursos, excepto os dos professores, pagam indemnizações.

Em tempo, dera-me uma anti-aéria!

Cavaco defende Educação como “desígnio nacional”

O Presidente da República elegeu hoje a Educação como “um desígnio nacional”, sublinhando a rentabilidade do investimento no sector e a importância das escolas básicas onde “se rasgam horizontes”.

Dom Sebastião Primeiro & Último não faria melhor, continue-se a rasgar.

… à demissão de(0) Carrilho, demitido pela única coisa.

Acho bem, só lhe faltam cento e quarenta e nove mil e novecentos e noventa e sete.

Em tempo, era para se chamar Lista De Espera, soma seis anos.

Página seguinte »