Sábado, 4 de Setembro, 2010


Tony Bennett, kd lang, Chris Botti, Because of You

Condenados À Solta

O projecto de revisão constitucional do PSD tornou-se uma das principais armas políticas da reentrée socrática, como se viu hoje em Matosinhos e já antes se vira em Mangualde. E cada aparição televisiva de Paulo Teixeira Pinto a reforçar a lógica das suas propostas (com o apoio aberto e declarado de Lobo Xavier na Quadratura do Círculo) é mais um argumento para José Sócrates até parecer de Esquerda e assim ir buscar eleitorado fugídio, com memória curta e amedrontado.

Nota à imprensa


A Comissão de Pais e Encarregados de Educação dos alunos da Escola Básica do 1º Ciclo de Coucieiro, no Concelho de Vila Verde dá conta da entrada, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, no dia 31 de Agosto, de Providência Cautelar visando evitar o encerramento desta escola. Sustenta-se a actuação e a revolta dos pais no facto deste estabelecimento de ensino reunir todas as condições para se manter em funcionamento. Além de dispor de óptimas instalações físicas, alvo até de recente e profunda remodelação, possui 25 alunos inscritos para o ano lectivo de 2010/2011, bem acima do limite mínimo imposto pelo Ministério da Educação. Depois de encetadas e frustradas diligências várias, junto das entidades competentes, indignados e apoiados pelos eleitos locais, os pais encontraram na via judicial a forma adequada de defender a educação e o bem-estar das suas crianças. Reservam-se ainda, os pais e encarregados de educação destes alunos, de oportunamente desencadear outras formas de luta na defesa da legalidade e da qualidade na Educação dos seus filhos.

Coucieiro, 02 de Setembro de 2010.

A Comissão de Pais e E.E.

altissimos estudos patafísicos

Também ao Paulo Prudêncio chegam as vozes curiosas quanto a posicionamentos político-partidários, ao que ele responde com a elegância que lhe é habitual.

Pois é, há muitos curiosos, interessados em saberem ao que andamos, nesta coisa dos blogues (des)ligados da luta-pá-da-luta.

No fundo, há curiosidades de dois tipos: as que querem mesmo perceber se há uma agenda oculta e as que apenas querem alinhar o tiro para seleccionar o tiro ao alvo.

Não vou ser tão elegante como o Paulo na resposta, porque acho que já fui bem claro no passado quanto a posicionamentos e ambições. Quem leu e não acreditou, terá um problema qualquer por resolver e não voltaria a creditar se eu o repetisse agora. Aliás, se eu revelasse o meu sentido de voto nas legislativas de 2005 e 2009, seria um fartote de rir. Há visitantes e comentadores – poucos – que o sabem e certamente concordarão que seria algo chocante.

Para o futuro, repito uma ladaínha que por vezes irrita quem a ouve a toma por uma forma de arrogância: o Tempo demonstrará a Verdade. Há quem deteste que eu diga ou escreva isto, mas já tenho demasiada calo de levar pancadinhas nas costas a posteriori. Para além de que, por regra, há que projecte nos outros os seus desejos interiores.

Hei-de desenvolver mais o assunto, mas sinto que cada vez mais o remanso se instala e tudo se inscreve nos quotidianos, com maiores ou menores tremores, desde uma carreira partida em segmentos a um modelo de gestão que confundiu (?) a necessidade de lideranças fortes com a instalação de hierarquias piramidais.

Quase todos se vão acomodando  a um novo status quo, que parece reproduzir o de antes, desde as bases aos actores institucionais, satisfeitos pela reinstalação da coreografia negocial quinzenal ou mensal. Os tempos estão difíceis e há quem prefira assim do que pior. E reinstalam-se rotinas defensivas.

Mas esta é uma estabilização em baixa. É a acomodação à retirada, sem grande vontade de retomar algo que, no seu auge repetido, foi desbaratado.

Se em tempos havia dias que nos levantávamos pensando o que se podia fazer ao longo do dia para melhorar o que havia, agora parece que quase todos nos levantamos a pensar como impedir que as coisas se degradem ainda mais. E mesmo isso já é um esforço imenso.

Em busca de um presidente assim assim, não havendo melhor

Green technology: how schools can cut ICT spending

Simple efficiency measures in schools’ use of technology are often all that’s needed to save energy, resources and the environment

Technology in Schools: Education, ICT and the Knowledge Society

Embora de 2004, este relatório tem umas ligações bastante interessantes, em especial no apêndice 3.

Clicar na imagem para aceder…

As recomendações finais são interessantes.

Clicar na imagem para…

Sobre acumulações e incompatibilidades…

Questão pertinente.

A dimensão humana, a qualidade científica e pedagógica de educadores e professores, assim como a sua capacidade para organizar e direccionar a utilização das tecnologias são aspectos com um valor incomensuravelmente mais elevado para a Educação do que as virtualidades.

Escolas portuguesas estão cada vez mais tecnológicas

O Plano Tecnológico para a Educação está a correr dentro do previsto. A maior parte das escolhas já tem Internet e existe um computador por cada dois alunos.

Acesso à Internet, quadros interactivos e computadores nas salas de aulas são algumas das ferramentas pedagógicas que fazem parte do plano do Governo para criar as escolas do futuro em Portugal.

João Mata, secretário de Estado da Educação, disse ao Diário Económico que “100% das escolas públicas estão ligadas à banda larga e dois alunos por computador já é um objectivo cumprido, o que significa que já foram entregues mais de 1,2 milhões de computadores.” E mais: por cada três salas uma tem um quadro interactivo e todas estão equipadas com um videoprojector.

Que fique bem claro que acho o equipamento das escolas um bem em si mesmo. O que eu gostaria aqui de voltar a desafiar, é que se fizesse um estudo sério sobre a utilização dos equipamentos despe jados nas escolas. Podemos até ter 5 gadgets por aluno em termos estatísticos (aqueles que o secretário de Estado que encurtou o nome melhor compreende), mas o que interessa é a sua utilização (muito equipamento continua encaixotado, não o neguemos) e se essa é uma utilização que potencie as aprendizagens.

… deve ser por isto que dizem que temos leis muito avançadas:

Condenados mas ninguém vai preso

Desilusão: Portugal surpreendido pelo Chipre (4-4)

Se nós nem com batedores, guias explicadinhos e manuais de montagem do IKEA conseguimos fazer as coisas sem derrapagens, enganos, atrasos e etc, ia ser no futebol – aquilo que eu acho que melhor encarna todos os nossos defeitos e qualidades – que tudo funcionaria como se existissem boas rotinas?