• Que esforços fez o ME para baixar os níveis de contratação?
  • Se este era um concurso para necessidades transitórias, como poderiam baixar os níveis de contratação, num contexto de alargamento da escolaridade?
  • Os quadros das escolas e agrupamentos estão sub-ocupados por responsabilidade de quem? Não será dos órgãos de gestão que, tendo possibilidade de abrir vagas em 2009 não o fizeram?
  • Afinal, é melhor que os níveis de contratados se mantenham (existindo mais desemprego) ou que aumentem (reduzindo o desemprego), num ano em que não  há concurso externo para os quadros?
  • Têm a certeza que está mesmo previsto – já que em actas negociais o compromisso não está expresso, mas apenas a intenção de analisar a possibilidade – um concurso de ingresso para 2011?
  • O quinto ponto deste documento (entre outros) está escrito em que língua (popotês, albinês?)?