Fenprof exige revisão do regime da formação contínua

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) exigiu hoje uma revisão “urgente” do regime jurídico da formação contínua, sublinhando que o Governo só a assegura anualmente a 30 por cento dos docentes, apesar de obrigatória.
“A revisão do regime jurídico da formação contínua de professores é uma urgência e uma prioridade. A situação está péssima”, afirmou o secretário geral da Fenprof, Mário Nogueira, em declarações à agência Lusa.
O dirigente sindical explicou que o próprio Ministério da Educação “admitiu” que não consegue formar mais de 30 por cento dos professores anualmente, apesar deste procedimento ser obrigatório e contar para efeitos de avaliação de desempenho e progressão na carreira.

Observaremos se Verlaine lhe assiste.