Junho 2010


Melhor dito, será uma espécie de Tratado de Tordesilhas, em que os órgãos e gestão dos agrupamentos nada parecem ter a dizer. O admirável mundo novo da divisão de competências entre ME e autarquias, com zero autonomia para a generalidade das escolas está quase aí…

Ministério da Educação e autarquias assinam protocolo de acordo sobre fecho de escolas

O Ministério da Educação e a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) assinaram hoje um protocolo de acordo relativo à reorganização da rede de escolas do 1.º ciclo do ensino básico.

Sempre achei que se prometesse dinheiro, a ANMP não teria qualquer posição de princípio quanto ao encerramento seja do que for…

… o que faremos agora a propósito do sócrates que nos tem infectado?

Amigo, essas são tuas, a outra é para passar aos colegas de equipa… de vez em quando…

E justamente. Até agora foram ganhando os favoritos. Se calhar os 7-0 à Coreia fizeram esquecer que não conseguiram marcar mais nenhum golo a ninguém.

Pronto, já podemos ler o Paul Krugman e ficarmos oficialmente deprimidos.

Class wars

(…)

The important factor in the classroom is not the size of the class – it is discipline. Teachers have lost control of the classrooms in Britain and this is why our education system is failing. They’ve lost control because successive governments have given children increasing “rights” while simultaneously stripping away the options available to teachers to enforce discipline – and these things have happened with the active participation and approval of the teaching profession.

Class sizes make little difference to the quality of learning children receive. It doesn’t matter if you have a class size of 20, 10 or 1 – if the teacher has no control and the pupil has even a vague awareness of the “rights” they have (and few don’t have this awareness these days) then the teacher will struggle to teach the kids anything.

Deputados recebem subscritores da petição

Esta quarta-feira, dia 30 de Junho, às 11h30, a Comissão Parlamentar de Educação ouvirá o Movimento Escola Pública e outros subscritores da petição pela redução do número de alunos/as por turma e por professor/a, e pela colocação de uma auxiliar em cada Jardim de Infância.

Daí andar-me a equipar com alguns estudos e relatórios. Até já comprei tinteiros novos para imprimir as papeletas, não vão a(os) senhora(e)s parlamentares pensarem que falo só porque sou um esquerdista despesista como alguns me chamam…

Estamos empenhados em sensibilizar os/as deputados/as de todos os grupos parlamentares para a justeza destas propostas, até porque elas têm merecido um amplo consenso de pais, alunos, professores e milhares de outros cidadãos. Contamos como o bom senso de todos/as para ajudar a combater o insucesso escolar.

How Important Is Class Size?

Class size is one of many factors to consider when choosing or evaluating a school.

How much attention do students at your school get? Class size is one factor to consider when evaluating a school’s effectiveness. But small class size alone does not ensure a good education. The quality of the teaching, the school leadership, the size of the school, the amount of parent involvement and other factors are important to consider, too.

What’s the Difference Between Class Size and Student-Teacher Ratio?

GreatSchools publishes class size information for schools in some states and student-teacher-ratio information in others, depending on what’s available in each state from the respective state Department of Education. It’s important to understand the difference between these two types of data and what they indicate about your school.

When you see class size stats on GreatSchools’ school pages, the number refers to the average class size at the school. Some classes may be larger or smaller than the average number you see. This is especially true in schools which have state-mandated class sizes, particularly in the lower grades. Schools that have mandated lower class sizes in grades kindergarten through 3 may have larger class sizes for the upper grades.

Student-teacher ratios are based on the total number of school instructional staff divided by the total enrollment of students. So this number may include specialist teachers in the arts, literacy specialists, physical education and special education teachers, who may teach smaller groups of students. As a result, student-teacher ratios may show smaller numbers than the actual average class size.

Student-teacher ratios, which in many states are based upon full-time equivalent (FTE) teachers, can appear high for schools that have a large number of part-time teachers. If, for example, a small school has four part-time teachers, who each work 25% of the time, the student-teacher ratio at this school would be calculated based upon one teacher instead of four (because four teachers at 25% is equal to one full-time teacher). This will make the student-teacher ratio appear higher than it really is. If you think your school data shows an exceptionally high student-teacher ratio, check with your school principal to find out why.

What Defines a “Small Class”?

Researchers have found that gains in achievement generally occur when class size is reduced to less than 20 students.

What Are the Benefits of Small Classes?

Numerous studies have been done to assess the impact of class size reduction. Although most studies do show a relationship between small class size and increased student achievement, researchers disagree on how to interpret the results. Because there are so many variables in the average classroom – the quality of the teacher, the home environment of the students, the quality of the curriculum, the leadership of the school – it is difficult to draw definitive conclusions about student achievement based on class size alone. In other words, strategies effective in one setting may not be equally effective in another. Nevertheless, studies over a period of years have pointed to a number of trends as a result of lowering class size:

  • Gains associated with small classes generally appear when the class size is reduced to less than 20 students.
  • Gains associated with small classes are stronger for the early grades.
  • Gains are stronger for students who come from groups that are traditionally disadvantaged in education-minorities and immigrants.
  • Gains from class size reduction in the early grades continue for students in the upper grades. Students are less likely to be retained, more likely to stay in school and more likely to earn better grades.
  • Academic gains are not the only benefit of lowering class size. A recent study published in the American Journal of Public Health revealed that reducing class sizes in elementary schools may be more cost-effective than most public health and medical interventions. This is because students in smaller classes are more likely to graduate from high school, and high school graduates earn more and also enjoy significantly better health than high school dropouts.
  • Class Size: Counting Students Can Count

    (…)

    Why It Works … and When It Might Not
    Changes in student and teacher behavior are believed to be a major reason why small classes work. Teachers in small classes pay greater attention to each pupil. Students in these classes experience continuing pressure to participate in learning activities and become better, more involved students. Attention to learning goes up, and disruptive and off-task behavior goes down.
    Just placing another adult in the class does not achieve the same results, however. In the STAR experiment, policymakers thought that assigning fulltime paraprofessionals to assist teachers might be a low-cost alternative to reducing class size. But carefulanalysis of the STAR data has made it clear thatan aide in the classroom has no positive impact onstudent achievement or behavior.

    Also, it seems that class sizes must be reduced substantiallyto achieve the benefits. There is no experimental research suggesting that any benefits are realizedby subtracting only a few children from a larger class— for example, transitioning from 28 to 25 students. Even a class of 20 students may be too large.

    Lousã – Comunidade educativa lotou Assembleia Municipal

    «Uma imagem vale mais do que mil palavras. Desde que sou elemento da Assembleia Municipal nunca aconteceu ter esta sala tão cheia e por si só, mostra que toda a comunidade educativa está preocupada». Palavras do social-democrata Miguel de Matos, que ilustram bem o inédito da última Assembleia Municipal da Lousã. De facto, ontem ao fim da tarde, além do executivo e dos deputados municipais, marcaram presença professores, pais e encarregados de educação, que em massa, decidiram mostrar o seu protesto face à reorganização da rede escolar ditada pelo Governo.

    Assembleia Municipal de Vidigueira contra encerramento de escolas

    A Assembleia Municipal de Vidigueira está “contra o encerramento de escolas tendo como principal critério o número de alunos”. De acordo com a moção apresentada pela CDU e aprovada por maioria “estas medidas afectarão de forma mais decisiva as regiões do interior, facilitarão mais uma vez o êxodo das famílias para os centros populacionais, contribuindo desta forma para o agravamento do processo de desertificação do interior do país”.
    A Assembleia Municipal esteve reunida no passado dia 17 de Junho de 2010 e deliberou “manifestar a sua oposição ao encerramento das escolas” com base em critérios “pouco claros e que, não têm em consideração as especificidades locais” Os eleitos mostram-se ainda solidários com os concelhos que “a serem aplicadas estas medidas vão no próximo ano ter a sua comunidade educativa desestruturadas.”

    Viseu – Manifestação contra mega-agrupamentos

    Encerramento de escolas e redução horário do SAC (Centro Saúde)

    Assembleia Municipal de Ourique delega no presidente da Câmara, resolução dos processos de encerramento de escolas e redução de horário nos Serviços de Atendimento Complementar do Centro de Saúde.

    A Assembleia Municipal de Ourique, deliberou através de moções apresentadas pelos grupos representativos do PS e do PSD delegar no Presidente da Câmara Municipal, a resolução dos processos de encerramento das Escolas do 1º Ciclo do Concelho e da redução dos horários do Serviço de Atendimento Complementar do Centro de Saúde de Ourique.
    Sindicato não quer “encerramento” cego.

    Municípios contestam encerramento de escolas

    A Assembleia Intermunicipal da AMBAAL – Associação de Municípios do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, considera “inadmissível” o encerramento de escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico com menos de 21 alunos, mais ainda “quando os municípios estão em vias de concluir o reordenamento da rede escolar consignado nas Cartas Educativas Municipais aprovadas pelas Câmaras e Assembleias Municipais e Direcções Regionais de Educação, há pouco mais de dois anos, e homologadas pelo Ministério da Educação”.

    A escola e o lixo

    Nenhum sistema educativo, nenhuma escola, nenhum educador se pode alimentar do fracasso, pese embora grande parte das “modas” pedagógicas da última metade do século passado terem perpassado as escolas, todas elas deixando marcas e resultados nem sempre em conformidade com os esperados pelos que profissionalmente se envolveram nesses movimentos que se reclamavam da inovação e da renovação pedagógica. Referimos, por exemplo, o trabalho de projecto, os centros de interesse, o trabalho de grupo, a planificação por objectivos, a investigação-acção, as práticas reflexivas…
    Neste arranque do século XXI, arriscávamos a dizer que podemos detectar um novo modismo que apaixona escolas e educadores e a que os governos se colam por modernidade irrecusável: apontamos, concretamente, para o movimento de implementação das tecnologias da informação e da comunicação nos currículos escolares.
    No final do século passado, os educadores debateram, detalhadamente, o papel educativo da TV na escola e junto das crianças. Após largos anos de expectativas positivas, o desencanto instalou-se e os menos cépticos não têm qualquer receio de afirmar que a televisão é, hoje, apenas um transmissor de lixo mediático que nos entra pela casa dentro.
    Porém, as centenas de horas que os nossos jovens despendem em frente de um computador, ora para partilhar jogos, ora para navegar na Net, ora para comunicar através das redes sociais, podem também resultar num lamentável desperdício, se não forem aproveitadas como aprendizagens significativas, desde logo dentro da escola e dirigidas pelos educadores.
    Para que isso ocorra é necessário que os nossos professores manipulem as TIC como qualquer outro instrumento de apoio pedagógico e as escolas estejam equipadas para responder a mais este desafio da sociedade da informação e da comunicação.
    Porém, como temos vindo a referir, muitos dos nossos educadores não têm qualquer formação para dominar estas novas tecnologias e, muitos outros, fizeram aprendizagens auto-didactas. A generalidade dos pais permite o acesso indiscriminado à Net (curiosamente, já não tanto à TV) porque não sabem, nem imaginam o lixo que por lá circula.
    Muitas das nossas escolas só têm um computador para todos os alunos. Mas quase exigem que cada aluno tenha em casa um computador para o serviço da escola. Realizam-se testes de informática de “fato e gravata”, em que os alunos são convidados a descrever, por escrito, o que é um rato e um monitor. Solicitam-se trabalhos de casa com net-consulta, sem que se verifique das condições que cada aluno tem para os realizar, apenas porque fica bem a utilização de mais esta modernice pedagógica.
    Inúmeros empresários e gestores da administração pública reconhecem que a introdução descontrolada das TIC levou a uma inicial quebra de produtividade nas empresas e na administração pública, dado que alguns trabalhadores desperdiçavam um significativo número de horas no Messenger, nos Blogues e nos E-mails, no Facebook, na Farmville e derivados.
    Em muitos destes organismos, públicos e privados, a situação só foi superada após a introdução de mecanismos de controlo, restrição de muitos endereços nos servidores e aturada supervisão no local de trabalho.
    E o que se passa na escola e em casa? O que aprendem os jovens quando estão a navegar entre o net-lixo e o web-desperdício? Reconhecemos que as TIC encurtam o mundo. Mas se a globalização for apenas este lixo e este desperdício, então vale a pena reler os argumentos daqueles que preferem a localização.
    Não vale é a pena continuar a iludir ou a ignorar estas questões. O educador não pode, nem deve, ser castrador e impedir o acesso ao saber rápido e quase infinito, proporcionado pelas novas tecnologias. As TIC e a informação global por elas proporcionada são os principais argumentos de defesa da aprendizagem permanente e da formação ao longo da vida. As TIC podem, ainda, prolongar e projectar a escola para comunidades virtuais, ligando um sem número de pessoas num pensar colectivo e flexível, melhorando e aumentando o saber individual e universal. Chegará mesmo o dia em que, tal como se lançam empresas em mercados virtuais, será possível que se criem escolas virtuais, com campos digitais e o aprender ao alcance do bolso.
    Mas é necessário que toda esta evolução seja acompanhada de um saber pedagógico, para que não nos defrontemos com mais uma oportunidade perdida.
    A tribo da escola já está a mudar e não é mais possível que os educadores permaneçam na mesma.

    João Ruivo
    ruivo@ipcb.pt

    Porque, por certo, tudo isto é objecto de um planeamento estratégico e não de vaipes momentâneos…

    Obras. Três milhões de euros gastos em 19 escolas que podem fechar

    Na lista negra do Ministério da Educação estão várias escolas recém-remodeladas.

    Esta é uma viagem de norte a sul do país que deve ser feita de calculadora em punho. Se o fecho das 900 escolas básicas até 2011, que a ministra da Educação anunciou no início de Junho, for avante, escolas que foram requalificadas e onde foram investidos milhares de euros nos últimos anos podem ter os dias contados. Só em 19 escolas encontradas pelo i – uma amostra – foram investidos mais de 3 milhões de euros.

    Pela área da DRELVT começou a constar que existe o objectivo de conseguir 25. Se inclui norte e sul to Tejo nota-se que estão a desacelerar.

    MAs o método é parecido com o que há uns tempos estabeleciam para as multas…

    Sócrates é recordista europeu da subida dos impostos sobre trabalho

    Biólogos querem saber por que só restam 25 por cento dos cavalos-marinhos da Ria Formosa

    (c) Francisco Goulão

    vi uma nova janela semelhante a um círculo
    que era um arquivo do sol claramente extremo
    um metal encontrado sem sal dentro da sua diferença
    girará ou deambulará por aberturas trementes
    ou ilustra o seu tamanho várias vezes
    consolo-me com isto branco e tosco às vezes
    outras olho os recuos de fechar o movimento
    da arte de edificar uma figura radiante

    Rodrigo Leão, Neil Hannon e Cinema Ensemble, Cathy

    « Página anteriorPágina seguinte »