Ao que parece, a enorme conquista democrática estes últimos anos, em particular desde o queijo limiano e da fuga do pântano, foi a percepção cada vez mais alargada que – ao contrário das parangonas que anunciação dentro de dias o lançamento do livro da ex-ministra da Educação e das boas vontades de muitos – a Educação não pode, por si só e mesmo com galopantes sucessos estatísticos, garantir uma ascensão social que é muito mais marcada pelo amiguismo, pelo cartãozinho, pela cunha oportuna.

Porque todos sabem quem são os ruispedros e os saltosàvara deste jardinzinho, e o que ganharam em poucos anos de serviços aos líderes, mas serão muito poucos que ligarão isso ao seu sucesso escolar.

Portugueses não acreditam em estudar para subir na vida

Estudo mostra que crença na relação entre nível de escolarização e possibilidade de mobilidade social está cada vez mais fragilizada.

A crença na relação entre nível de escolarização e possibilidade de mobilidade social está cada vez mais fragilizada e a incerteza parece ser uma marca estrutural da sociedade portuguesa, concluiu o estudo «Necessidades em Portugal: Tradição e Tendências Emergentes», citado pela agência Lusa.