Só dois comentários: se é por causa da capacidade de ser um case-study, há catástrofes que também o são. Não é argumento, muito menos sem qualquer estudo que se conheça sobre o impacto favorável da iniciativa (e olhem que, para abrir, os resultados das provas de aferição, pelo menos do 6º ano, devem dar umas pistas…). Quanto ao chavão da mudança de paradigma, pensava que estávamos livres de ler/ouvir isso desde que o pai da nação se aquietou.

Don Tapscott afirma que o programa e-escolas é um ‘case-study’ internacional.

Alunos que gostam de estudar, que comunicam entre si, que participam e que mostram entusiasmo nas aulas é o que Don Tapscott, professor da Universidade de Toronto, no Canadá, consultor e autor de 13 livros sobre o impacto das novas tecnologias na sociedade e nos negócios, garante que o projecto e-escolas traz à educação.

“Uma mudança de paradigma que se consubstancia numa relação diferente entre aluno e professor e numa aprendizagem colaborativa”, destacou o guru, ontem presente na conferência sobre “A Escola do Futuro na Era da Comunicacao Digital”. Don Tapscott tem defendido o projecto e-escolas como um ‘case-study’ a seguir nomeadamente pelos Estados Unidos.