… não se percebe bem se sim, se não. É por aqui que a Fenprof (o que é feito do resto dos sindicatos, não negociaram?) começa a queixar-se de tudo o que não há para além do acordo.

Notem na acta de 24 de Fevereiro. Neste momento já se sabe que o mundo vai mudar em três semanas daí a a alguns meses. Já não há margem para lá do que está no acordo. É por aqui que já se percebe que vem aí o PEC e que não há qualquer margem para conseguir mais nada do que a letra do acordo. Reparem bem no que se nnotra nestas duas passagens (pp 2 e 4) desta acta:

É aqui que a estratégia formal do ME passa por amarrar a Fenprof à letra do acordo, enquanto Mário Nogueira dá a entender que mais haveria que não está a ser cumprido…

Mas a verdade é que nada está escrito a esse respeito na acta de 8 de Janeiro… nem sequer qualquer alusão ao SIADAP, já agora…