O melhor é ler a peça, porque o título… enfim…
Se há algo que Maria do Carmo Vieira não faz é atacar os professores…

Assim vai o português. “Os professores têm de estudar mais”

Nos anos 1980, Maria do Carmo Vieira, formada em românicas, deixou de querer dar Francês. “Os textos passaram a ser só sobre queijos e cantores pirosos. A gramática era reduzida e o pretérito perfeito passou a ser considerado um conhecimento passivo, não era para ser ensinado”, conta ao i. Admite, perante o fumo, não ter havido uma mobilização maior da classe, que contribuiu para o estado do ensino. “Nós não acreditámos que isto havia de se concretizar e por isso deixámos andar”, lamenta. A leitura não é derrotista, mas um mea culpa com vontade de participar na solução.

Dedicou-se de corpo e alma ao Português – que ensina há 34 anos – e foi uma das mentoras do movimento contra o novo acordo ortográfico. Foi a experiência que motivou o convite do sociólogo António Barreto para assinar o primeiro de uma colecção de três de livros da Fundação Francisco Manuel dos Santos – criada no ano passado para aprofundar o conhecimento sobre o país. O ensaio “O Ensino do Português” chega hoje às bancas e é uma reguada à educação nacional e ao ensino da língua materna.

Os problemas vão da pedagogia à ilusão criada pelo programa Novas Oportunidades, explica a professora de 58 anos. A escola, na sua opinião, passou a ser “porta-voz do absurdo”, uma metamorfose a que não faltam exemplos – a recomendação para transformar os “Morangos com Açúcar” em série educativa, promovendo a sua análise nas aulas, é um dos que aparece no livro. “Os professores têm de estudar mais. Não podem aceitar as aulas como receitas que se tiram dos manuais. Não podemos despirmo-nos de nós próprios e perguntarmos aquilo que nos dizem para perguntarmos”, diz a autora que vê a distorção da pedagogia, com estatísticas positivas a mascarar o facilitismo ou o aumento da permissividade, com sinais de um objectivo maior: “Fazer com que as pessoas não pensem.”