Aparentemente Valter lemos só acredita nela quando aprwesenta númros sobre a Educação:

Taxa de desemprego em Portugal chega aos 10,8% em Abril

A taxa de desemprego em Portugal chegou aos 10,8 por cento em Abril, com o país a subir uma posição e a registar a quarta taxa mais elevada da OCDE.

A percentagem da população activa no desemprego em Portugal, medida pela OCDE, subiu 0,2 pontos percentuais em Abril, face aos 10,6 por cento observados em Março, alcançando um novo recorde dos últimos 20 anos.

Portugal ultrapassou assim a Hungria, que em Março era o quarto país com a taxa de desemprego mais elevada.

(…)

No início do mês, a primeira estimativa do Eurostat para a taxa de desemprego em Portugal em Abril apontava igualmente para os 10,8 por cento.

Na ocasião o secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional, Valter Lemos, contrapôs esta estimativa do gabinete de estatísticas europeu com a tendência de queda observada em Abril no número de inscritos nos centros de emprego.

Mas há uma explicação simples: enquanto em relação à Educação os dados têm apenas uma origem, em relação ao emprego, há diversas origens para os apresentar publicamente, sendo a preferida deste Governo a do número de inscritos nos Centros de Emprego que, como sabemos, levam periodicamente uma limpeza em função dos critérios usados pelo IEFP.

Depois quando o INE calcula o número total de desempregados – e não dos inscritos nos Centros de Emprego – temos assim como que uma desconformidade.

Se repararmos, Valter Lemos está sempre colocado cirurgicamente onde é necessário que 41+23 sejam 0,7.