Não há que ter dúvidas:

Um estudo realizado nas universidades públicas dos cursos de Economia e Gestão, publicado no mês passado no Journal of Academic Ethics, entrevistou 2675 alunos: dois em cada três admitiram copiar.

Se bem que o estudo deixe um pouco a desejar pois baseia-se no testemunho dos próprios alunos. Tudo bem, não há outra maneira de estudar isto, só dá mesmo com a confissão dos próprios. O que sabemos ser um método infalível, em especial se envolver comissões para lamentarmos.

Mas já pensaram relacionar estes dados com a religiosidade dos inquiridos? Não será que os açorianos estão mais preocupados com castigo divino, enquanto os alentejanos já sabem que o álvaro não está entre nós?

Ou então, pela inversa, os alentejanos são mais sinceros e os açorianos mais dissimulados, mesmo sob sigilo?

Estudo indica que os alentejanos são os que mais copiam e os açorianos os mais sérios

E ainda há aquele detalhe: o estudo foi feito com uma amostra de cursos de Economia e Gestão, o que pode explicar um pouco a fraquíssima qualidade dos nossos economistas…