Terça-feira, 8 de Junho, 2010


Joe Satriani, Summer Song

Óié! Róqueróle!!!

Eurostat vai poder inspeccionar as contas nacionais

Heteroquedasticidade – um distúrbio nas regressões provocado pela falta de homogeneidade nas observações estatísticas (p. 77).

A possível inconstitucionalidade do “salto” do 8º para o 9º ano:

O (não?) encerramento de escolas na zona da Guarda:

A petição pela redução do número de alunos por turma (lá falhei uns quantos segundos de aparição televisiva em troca de duas aulas de 90 minutos… e o crescimento da minha aura de cripto-bloquista):

Via blogdocão.

Não está velhinho, mas é fracote, coisa de 49,99 numa casa da especialidade. Mas consegue digitalizar uma página e guardá-la em menos de um minuto pelo que, a menos que as actas sejam buésdagrandes, a coisa não precisa de levar dias para ser colocada online.

A boa nova é que consta que já estarão disponíveis em papel.

Estava eu a conduzir em noite chuvosa pelo deserto quando a confirmação me chegou por telefonema amigo.

O que acho?

Que merecem ser lidas com atenção, mesmo se forem razoavelmente assépticas. porque há coisas que mesmo estando pasteurizadas, ou estão ou não estão.

E será interessante perceber se era aquilo ou sopas e se já se sabia que o mundo iria mudar daí por quatro meses.

E há mais coisas como, por exemplo, perceber se todo aquele tempo se traduziu apenas na transformação da dupla carreira na carreira em degrau.

Se tenho interesse nos espéciemes? Claro que tenho!

… porque me foi pedido e o mail até era uninominal

Caso contrário, ainda era capaz de escrever alguma inconveniência quanto ao fraseado.

Chegou-me… não sei se está sob reserva, mas não resisti… espero não ter pecado… mas quer-me parecer que foi isto que fez adiar…

Reorganização da Rede Escolar

Reunidos na Escola XXXXXXXXXXX, os Directores XXXXXXXXXXX tomaram conhecimento da resolução do Conselho de Ministros relativa à reorganização da rede escolar na qual se prevê, entre outras medidas, a criação de agrupamentos de escolas, sedeados em escolas secundárias, que permitam adequar o projecto educativo à escolaridade obrigatória de 12 anos, os quais poderão ter no máximo três mil alunos.

Mais ficaram a saber, por testemunho de alguns colegas presentes, que a Direcção Regional XXXXX já iniciou contactos com algumas das escolas da região, nomeadamente de XXXXXXXXXX, de modo a avançarem no mais curto prazo com o processo de constituição dos referidos agrupamentos.

Face à situação descrita, estranha-se que só agora seja pedido o parecer dos directores sobre esta matéria, a qual será objecto de análise por parte do Conselho de Escolas na próxima 2.ª feira, dia 7 de Junho.

É, por isso, com muita apreensão que os directores presentes encaram todo este processo. Se é verdade que a medida visa, nas palavras do Sr. Secretário de Estado João da Mata, “fazer um melhor acompanhamento do aluno, … permitindo à criança entrar na educação pré-escolar e fazer todo o seu percurso educativo no mesmo agrupamento de escolas”, bem como “prevenir situações de abandono escolar” e garantir “melhores resultados”, não é menos verdade que tais afirmações são, no mínimo, discutíveis já que carecem de uma fundamentação com base em dados concretos ou estudos, porventura realizados, mas que não são do nosso conhecimento.

Estamos, por isso, perante um situação complexa sobre a qual a pouca informação existente não permite a emissão de um parecer fundamentado, como gostaríamos. Parece-nos, no entanto, ser aconselhável um estudo mais cuidado da situação, no sentido de acautelar algumas situações problemáticas que, desde logo, identificamos, nomeadamente:

– Dimensão excessiva dos referidos agrupamentos, já que 3000 alunos, cerca de 300 professores, mais de 100 funcionários não docentes tornarão a organização de tal forma complexa que será muito difícil dar resposta a todos os desafios organizacionais com os actuais meios de que dispõem as direcções das escolas;

– Complexidade de articulação de uma organização resultante da fusão de, pelo menos, uma escola secundária e um ou dois agrupamentos de escolas básicas, sendo qualquer uma destas, de per si, uma realidade já altamente complexa;

– Carácter experimentalista da medida que surge antes ainda de se ter consolidado a experiência de constituição dos actuais agrupamentos de escolas, sedeados na sua maioria em Escolas Básicas 2,3, e sem que se tenha avaliado ainda as vantagens ou desvantagens deste tipo de estruturas;

– A imposição da medida a todas as escolas sem uma prévia auscultação das respectivas comunidades educativas, bem como dos órgãos de direcção, nomeadamente o Director e o Conselho Geral, e sem ter em conta a cultura organizacional, por vezes bem diversa, de cada escola ou agrupamento já existente;

– A excessiva pressa em avançar, desde já, com a criação de mega agrupamentos a nível regional, contrariando as palavras do Sr. Secretário de Estado João da Mata que defende que este é um trabalho a fazer de “forma muito gradual” e em articulação com os municípios e agrupamentos de escola, garantindo mesmo que “não vamos constituir mega agrupamentos”.

– A necessidade de que tal medida seja objecto do maior consenso possível ao nível dos partidos políticos e da sociedade civil, passando, naturalmente, por toda a comunidade educativa, de modo a evitar o risco de avançar para uma reestruturação desta dimensão, com todas as implicações dela decorrentes, para a breve prazo retroceder, eternizando desta forma o contínuo carácter experimentalista e voluntarista das diversas reformas educativas.

Neste sentido, os directores presentes declaram-se desde já disponíveis para analisar e discutir todas as implicações que tais medidas podem acarretar para a vida das escolas e do país, solicitando à tutela que promova o mais amplo debate e esclarecimento sobre todo o processo com as direcções das escolas e o Conselho de Escolas.

Naturalmente que, entretanto, se deverá suspender o processo de constituição dos referidos agrupamentos, à excepção dos casos em que as próprias escolas, envolvendo toda a comunidade educativa e os municípios, considerem estar reunidas as condições para avançar, tomando para tal a iniciativa.

Nuno Crato é o novo presidente do Taguspark

Anda a circular desde 6ª feira, mas era confidencial até à (inexistente) reunião de ontem do Conselho de Escolas.

Pelo que aqui fica (e o Reitor também já publicou) o documento que deveria ter sido apreciado, mas não foi ou então foi, mas não com a apreciação desejada:  Versao31MaioPCM.

Learning Street: enquadramento à realidade portuguesa

Não me digam que na Inglaterra há quem acredite em democracia participativa!

George Osborne to ask public which services should be cut

Chancellor and chief secretary to the Treasury Danny Alexander to outline plans for once-in-a-generation spending review this afternoon.

The chancellor, George Osborne, will today ask the public to help decide which services should be cut as he sets out a framework to slash Britain’s budget deficit.

The public is to be asked which functions currently carried out by government could be better performed by other bodies, while ministers will have to justify their budgets before a “star chamber” of senior ministers and civil servants, Osborne will confirm.

Both the star chamber and the idea of asking the public for input on where the cuts should be made are taken from Canada, where premier Jean Chrétien reduced the country’s deficit in the 1990s by reducing federal budgets by 20%.

… quanto à instrumentalidade da criação do Conselho de Escolas no mandato anterior…

Governo não esperou pelo parecer do Conselho de Escolas sobre a reorganização da rede escolar

O Governo não esperou pelo parecer do Conselho de Escolas para aprovar a resolução sobre a reorganização da rede escolar. O diploma foi votado na semana passada, quando já se sabia que a reunião do CE, um órgão consultivo do Ministério da Educação constituído por 60 directores de estabelecimentos escolares, estava convocada para ontem. A reunião acabou por ser desconvocada no domingo.

Governo vai manter avaliação no concurso de professores

E as actas, senhores?

Que tanto tardam, apesar das promessas?

Porque estes arredondamentos, para além de revelarem inépcia ou preguiça de quem arredondou, podem provocar distorções inaceitáveis como alguém com 7,4 (transformado em 7) ficar atrás de alguém com 7,1.

Parecem bizantinice mas está longe de o ser.
Se o ME prega o rigor na avaliação que o pratique e faça praticar.

Professores recusam ser avaliados com notas arredondadas

… se possível sem traumas. Contextualizando e explicando. Não é ocultando, omitindo ou distorcendo que se dá a conhecer o passado. Sei que é uma prática em certos ambientes que estudam o Estado Novo como forma de legitimarem o seu próprio passado autorepresentado como heróico, seja de um dos lados como do outro.

Por isso mesmo, é importante que a História, não sendo neutra, combata as contaminações e as censuras mal encapotadas.

Crianças vestem-se com fardas da Mocidade para reviver 100 anos de República

Mais de 1200 crianças do agrupamento de escolas de Aveiro vão participar, quarta-feira, num projecto escolar destinado a reviver os últimos cem anos da história portuguesa, iniciativa já contestada pelo Bloco de Esquerda.

Mais grave do que revisitar a História e os seus períodos mais negros é apresentá-la como uma fato à medida dos próprios alfaiates e nesse aspecto muito haveria a dizer sobre a historiografia do período. Mas como é matéria algo sensível e que exige algum preparo ficará para tempo de pausa lectiva.

Países do euro exigem reformas estruturais a Portugal

Portugal e Espanha vão ter de complementar as medidas de austeridade recentemente anunciadas com novas reformas estruturais, “nomeadamente do mercado de trabalho e do sistema de pensões”, para acelerar a consolidação orçamental.

… mas o compromisso da manhã já me leva um bloco de 90 minutos e não tenho plafond para faltar o dia todo. Logo…

Petição para redução de alunos por turma reúne 18 mil assinaturas

O Movimento Escola Pública (MEP) vai entregar hoje na Assembleia da República (AR) a petição que defende a redução do número de alunos por turma e que superou as 18 mil assinaturas. O documento vai ser entregue ao presidente da AR, Jaime Gama, e os promotores esperam agora que partidos apresentem iniciativas legislativas sobre a questão.

Rio de Janeiro, 2009

Reinserção Social: «Há muita violência no espaço escolar»

A diretora geral de Reinserção Social, Leonor Furtado, disse hoje que os jovens são violentos, utilizam armas de fogo e brancas, sendo o espaço escolar um local onde há «muita violência».

Aconteceu-lhe alguma coisa. Ou vai acontecer.