Sábado, 29 de Maio, 2010


Bjork, It’s Oh So Quiet

A análise da manifestação, do seu impacto e potenciais efeitos assim como, no caso dos professores, do curioso e interessante discurso de Mário Nogueira que destaquei em post anterior. Havendo tempo e capacidade, ainda tentarei fazer um resumo do que penso que pode e deve ser a luta dos professores nos próximos tempos, para que a mesma possa ter alguma credibilidade e eficácia.

Por agora, provas de aferição por ver até 2ª feira, um texto a fazer sobre exames e mais um sem número de coisas que, parecendo que não, vão moendo.

A música do dia é já a seguir…

Há coisas que, muito sinceramente, passam para lá do ridículo e patético. A afirmação de que a manifestação de hoje tinha começado com «centenas» de manifestantes que surgiu em alguns espaços noticiosos online (parece-me que com origem numa nota da Lusa, mas não tenho a certeza) foi das coisas mais apalermadas dos últimos tempos, sendo que os tempos têm sido pródigos em palermices. neste caso é a o que estava no portal do Sapo.

Afinal parece que está tudo mal…

Intervenção de Mário Nogueira na concentração dos professores na Av. 5 de Outubro

“Estamos aqui hoje, em Lisboa, para nos manifestarmos contra o PEC, mas não só! Estamos também por tudo o que na Educação tem acontecido ou, para ser mais exacto, pelo que não tem acontecido e deveria. E não aconteceu por decisão política do Governo, por impacto dos PECs e do Orçamento de Estado, neste caso, por iniciativa do Governo e apoio do PSD, por incapacidade técnica ou incompetência política dos governantes da Educação”, afirmou Mário Nogueira, na tribuna improvisada da concentração na Av. 5 de Outubro, ao princípio da tarde deste sábado, 29 de Maio. Após a intervenção do Secretário Geral da FENPROF os milhares de professores e educadores presentes seguiram para o Marquês de Pombal, a fim de se incorporarem na grande manifestação da CGTP-IN.

(Continua…)

A mim quer-me parecer que existe a noção de que as conquistas do acordo estão à curta distância de um decreto-lei a suspender tudo.

A minha dúvida é se será a 1 de Junho ou Julho deste ano ou a 1 de Janeiro de 2011.

Depois não adianta aderir à teoria da mudança do mundo em três semanas, após meses de adormecimento voluntário.

(c) João Esteves

Um discurso que outrora seria feito sem ajuda de cábula, com mais alegria e de forma menos estereotipada. Mas cumpriu o seu papel.

Quanto a números, é melhor fazer uma média daqui a pouco.

Entretanto, a ministra do Trabalho fala para a comunicação social de uma forma que produz um certo e determinado sono.

Adenda: Como é natural, aceitam-se imagens da manifestação de hoje, bastando enviar para guinote2@gmail.com.

Há um par de dias que consta que estão feitas ou pré-feitas, em particular as da noite do acordo. Que já terão chegado mesmo às mãos de quem de direito.

A razão adiantada para o atraso é algo, enfim, não sei… se as escolas funcionassem assim não sei como as coisas andariam. Mas adiante, até pode ser que este nível de amadorismo seja a regra no país do nacional-porreirismo e perante a compreensão existente entre as partes.

Consta, de acordo com a minha bola de cristal, que serão airosas e um tanto assépticas na busca da quadratura do círculo.

Só se espera que os índios não andem de timex.

Página seguinte »