Quinta-feira, 13 de Maio, 2010


Ministers’ pay to be cut – and frozen for five years

David Cameron today redeemed his first pre-election promise by announcing that all ministers in his Lib-Con coalition will take a five-year pay freeze, as well as a 5% pay cut.

Ter de ver e ouvir os gurus da economia que nada fizeram, quando tiveram responsabilidades governativas ou orbiataram a esfera do poder, a perorar sobre a inevitabilidade e previsibilidade da crise, juntando-lhe fórmulas infalíveis sobre a sua superação, é algo que revolteia qualquer estômago, mesmo dos mais rústicos como o meu.

Entre o Papa e estes papinhas venha uma mão-cheia de Guronsan…

Olá

Venho por este meio solicitar que divulguem este inquérito online, produzido no âmbito da investigação para a obtenção do grau de doutoramento, com o titulo “Incidência e impacto do cyberbullying nos alunos do 3º ciclo do ensino básico público português”.

O questionário é sobre bullying, focado na vertente cyberbullying e dirigido aos alunos do 7º,8º e 9º ano do 3º ciclo do ensino básico.http://link-shrink.com/4690

Ao realizar este inquérito não se irá obter qualquer dado pessoal relevante, mantendo-se qualquer inquirido sobre total anonimato.

Solicito a todos que tenham filhos nestes anos escolares que peçam aos mesmos que preencham este questionário.

Agradecia também a sua divulgação, reenviando esta mensagem a todos os que conheçam.

Quanto maior a amostra mais fidedigna será a percepção da realidade portuguesa.
P.S. Pode encontrar a definição de cyberbullying em http://cyberbullyingportugal.blogspot.com/

Agradeço, desde já, a sua colaboração.

Prof. Pedro Ventura

… porque a Nova Esquerda chegou cá em duas vagas…

Deste modo, a Nova Esquerda iniciou a construção de um novo tipo de educação – uma educação antiautoritária, começando no princípio, com o objectivo de criar personalidades antiautoritárias, pessoas que pensariam por elas próprias e instintivamente ousessem de parte qualquer tentativa de impor uma dominação totalitária. (Paul Berman, O Poder e os Idealistas, p, 25)

Vamos para os cocktail molotov, aceitamos lugares na Comissão Política do PSD ou saltamos logo para a fase do gamanço de gravadores?

Vamos ter que partir para a “acção directa”?

A questão é do Octávio Gonçalves que na sua análise s+o parece ter-se esquecido que o pacote de medidas tem a benção do PSD…

Ainda se lembram de como todos andavam eufóricos com a subida do euro em relação ao dólar? Mas o dólar desapareceu? Não, pois não?

The Last Opportunity for a Strong Currency

The euro is experiencing the deepest crisis of its short history. Governments in Europe swiftly agreed to a massive rescue package, but it won’t be enough to save the common currency. If the monetary union is to survive, member states will have to abandon their egos and greatly increase political integration.

Speculative attacks, special summits, bailouts, meetings, emergency purchases — it would be difficult to surpass the drama of recent days. They will, no doubt, go down in history.

It’s a watershed moment that will push Europe in a new direction. And the stakes couldn’t be higher. This could be the founding act of a European federal state created out of necessity, as French Finance Minister Christine Lagarde has suggested. But it could also mark the beginning of the fall of the currency union with financially strong countries — like Germany and the Netherlands — wary of too much centralism.

Those aren’t, of course, the only two possibilities: We might see a long, orderly reform process for the euro in the coming months and years. We might see a slide into inflation, with the European Central Bank forced to come to the aid of countries in need of liquidity.

One thing, though, is for certain. European Economic and Monetary Affairs Commissioner Olli Rehn said on Wednesday that the Commission wants the power to force member states to balance their budgets. It is the right move: Those who have no qualms about wracking up debts, should not just assume that the European Union or other states will rescue them. On the contrary, repeat offenders must subjugate themselves to tough control mechanisms. That’s a good signal for the stability of the euro.

Solidarity Yes, But with Clear Rules

Still, it’s not clear whether Rehn can succeed in pushing through his plan. The EU member states must approve such rules — and they aren’t keen to give up additional sovereignty. Just minutes after Rehn announced his intentions, the French government responded, saying it would never turn power over its national budget over to Brussels. German Foreign Minister Guido Westerwelle of the business-friendly Free Democratic Party agreed, saying: “Budget law is a matter for national parliaments.”

But precisely that issue will determine the euro’s survival. Are we ready to give up more money and more power to community institutions? The common currency can only function on the long term if Europeans are ready to show greater solidarity and to cede more control to the supra-national European level.

Europe has nobody to blame for the difficult situation it finds itself in but itself. On Sunday night, finance ministers cobbled together a mega bailout package to the tune of €750 billion — a move that is actually prohibited by EU treaties. The European Central Bank (ECB) in Frankfurt also had to hastily implement measures that they had shunned until now: The ECB and national central banks will now buy state bonds from countries in trouble. Other crisis measures that the ECB had already abandoned have now been reactivated, too.

The old rules no longer apply. But are their new ones? Rehn’s push is a first step in the right direction. But there are real concerns that France and others may torpedo his proposal.

(Continua…)

A Nightmare for the European Dream

Political unity, a common currency, border-free travel and lasting peace. The European Union was to have become a kind of eternal utopia. Instead, no one has dared to further develop Europe since the days of Helmut Kohl. Now, the EU is looking decidedly mortal.

Making Europe immortal is a very old idea. After being struck by one of Eros’s arrows, Zeus, the father of all Greek gods, fell madly in love with Europa, the daughter of the Phoenician king. When he later realized that his beloved was doomed to pursue the path of an ordinary mortal, he named a continent after her and proclaimed: “You shall be immortal, Europa, because the continent that has accepted your body shall bear your name for all time.”

You shall be immortal, Europa? The current euro crisis reveals that it isn’t quite as easy as Zeus implied.

“Oh, Europe,” Hans Magnus Enzensberger sighed in the title of his book, published years ago, in which he summarized “perceptions,” or fictitious reports, from seven different countries. Today, “Oh, Europe” are the words any true Europhile must be exclaiming with a sigh.

I am one of those people. I am one of those idealists who have always believed in the European idea and will continue to do so. It was and still is incredible how this continent has bundled together its economic, political and military forces, and that there is more that unites its countries than divides them.

(….)

Exactly 10 years ago Joschka Fischer, probably the most ardent pro-European politician in Germany next to Helmut Kohl, tried to correct the situation in a speech on Europe’s finality. The speech, which included multiple rhetorical twists and turns, is still worth reading today — and is also a sad document of European history.

Fischer described a new treaty among nations, “the nuclear of a constitution for the federation,” as an interim step prior to the completion of political union. On the basis of this underlying agreement, the federation could “create its own institutions, a government that should speak with one voice for the members of the group on as many issues as possible within the EU, a strong parliament and a directly elected president. This center of gravity would have to be the avant-garde, the locomotive for the completion of political integration, and already encompass all elements of the eventual federation.”

As we know, this attempt — the constitution — failed. Things have been going downhill for Europe since then. Instead of creating a joint military, Europe must now be worried about keeping its common currency. Europe could end where it began: in Greece. Today, Bill Emmott’s book reads like an early prophecy. Either Europe sees this existential crisis as a chance to correct the mistakes that were made for years, or this potential world power will go down in the history of empires as the first to fail before it even became one.

There are reasons to be very worried about Europe. It is as mortal as a Phoenician princess.

A sério que não percebo o pedido de desculpas de Pedro Passos Coelho.

Porque das duas, três:

  • Ou a situação é mesmo de emergência e não há que pedir desculpa a ninguém, pois o acordo com o Governo foi feito em nome de um sentido de Estado.
  • Ou a situação não é bem assim ou existiriam outras saídas e, nesse caso, o acordo não deveria ter sido feito.

O que esta convergência real entre PS e PSD numa política fiscal (e económica…) comum revela é que lá fora (leia-se UE ou Alemanha, conforme a escala usada na referência) não dão o aval a nada se não existir a garantia de que as medidas serão seguidas por cá seja qual for a solução governativa nos próximos anos. Este amarrar do PSD às actuais medidas significa apenas isso.

Já o deixar-se amarrar do PSD a estas medidas – que não se percebe se acontece por convicção ou não – pode significar, desde já, que em futuras eleições pouco distinguirá o voto em um ou outro dos partidos do centrão, pois as diferenças serão mínimas, tal como a autonomia em relação a Bruxelas ou Berlim.

Passos Coelho ganha uma espécie de estatuto de co-primeiro-ministro, mas perde margem de manobra para se distinguir de José Sócrates, para além de aspectos relacionados com a personalidade ou carácter. O que num país que reelege Fátimas e Valentins é algo pouco relevante.

Aliás, julgo mesmo que neste momento lá fora prefeririam ter PPC como 1º ministro, desde que Teixeira dos Santos permanecesse como ministro das Finanças, porque sempre escusariam de explicar as coisas a um novo titular da pasta.

Para todos os efeitos, é o Bloco Central que já nos governa ao nível da macro-político.

O caricato seria a Parque Escolar usar o escritório de advogados de Aguiar Branco para contestar juridicamente esta decisão…

Parlamento põe fim ao regime excepcional de contratação da empresa Parque Escolar

Falta de transparência foi a razão invocada. Empresa deixa de poder repetir encomenda, mas continuará a poder contratar por ajuste directo.

Há um primeiro-ministro nominal, mas sem o aval do que se segue nada pode ser feito, dizem lá de fora. Assim a política fica garantida, seja qual for o homem do volante.

Publicação, a pedido do autor, como resposta a um comentário da Fernanda1

A ORDEM DOS PROFESSORES E UMA CANÇÃO DE FAUSTO

Agradeço a Fernanda 1, o seu comentário (13/05/2010) ao meu “post”, citado na véspera neste blogue e intitulado “Uma carta sobre a Ordem dos Professores”. E agradeço, outrossim,  a  mensagem de esperança que me trouxe a  canção “Namoro” e o seu  belíssimo tom melódico com que a autora do comentário me brindou e a outros possíveis e desejáveis leitores. Fica-me a esperança que, a exemplo da insistência da canção interpretada por Fausto, os professores acabem por dizer SIM  à criação da  Ordem dos Professores ou, pelo menos, apresentarem razões, devidamente fundamentadas,  para dizerem NÃO.

Nem de propósito, em entrevista desta semana a Miguel Sousa Tavares na SIC, o combativo bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, criticando os sindicatos dos magistrados defendia, sem papas na  língua, como é seu timbre, que a função dos sindicatos é, por tradição histórica,” a defesa de melhores salários e menos horas de trabalho”.

Uma conquista  que eu não ouso sequer pôr em causa por dela muito beneficiaram os trabalhadores de entre eles, os próprios professores.Contudo, contudo eu entendo que o magistério transcende estas finalidades. Ou seja, deve ir para além delas sacudindo a tutela asfixiante das entidades oficiais (de que a acção de Maria de Lurdes Rodrigues, é um exemplo frisante), através da criação da Ordem dos Professores mesmo quando exercida em regime de contrato de trabalho porque como doutrinou o ex-bastonário da Ordem dos Advogados, Lopes Cardoso,  “essa profissão [em regime de contrato de trabalho] deve ser reconhecida como relevando de grande valor, precisamente porque exigindo, pelo menos, uma independência técnica e deontológica incompatível com uma relação laboral de pleno sentido” (“Cadernos de Economia”, Publicações Técnico-Económicas, ano II, Abril/Junho de 94).

Amiudadamente, os enfermeiros têm evocado o exemplo dos vencimentos dos professores para exigirem vencimentos idênticos com a alegação da sua licenciatura politécnica, embora,  de anos recentes, e com o argumento que a situações iguais deve ser dado tratamento igual, pese embora o (des)conhecimento de que a profissão docente tem um passado de diploma universitário de longa e cimentada tradição (que eu quase diria secular) que a colocou no mesmo patamar de reconhecimento social de outras profissões de igual exigência académica, v.g., médicos, advogados, engenheiros, etc. Talvez por isso, quando vejo estas três últimas profissões representadas por ordens profissionais me interrogo sobre a relutância da classe docente em ser representada por uma ordem profissional para ter assento, “de facto” e “de jure”, na elaboração de programas escolares, de exames e de representação ética, sim, ética, sobre os deveres e os direitos da classe. São estas questões que eu gostaria de ver discutida neste “fórum” de liberdade que é o blogue “A Educação do Meu Umbigo”, sem o dobrar do simples canto sim ou não das cartas de pedido de namoro de que nos fala a canção de Fausto.

A criação da Ordem dos Professores não pode ser vista como um caso de amor ou ódio em que impera o sentimento sobre a razão. Discutamos, pois, a criação da Ordem dos Professores sem nos deixarmos levar pela posição cómoda de deixar correr o marfim…e logo se verá!

Será pedir muito, a ponto de me poderem amarrar ao pelourinho de eu estar a defender uma causa com intuitos pouco claros? Logo eu  que aposentado  estarei arredado de nela estar inscrito “tout court”? Esta a prova da minha isenção pela luta que mantenho sobre a criação de uma Ordem dos Professores.

Infelizmente, fica-me este desejo muito forte ainda não realizado e, por isso, tão-só, resta-me o fraco consolo de transcrever uma mensagem que é um forte apelo à perseverança dos que lutam por uma causa que consideram justa:

“Nas planícies da hesitação

Branqueiam os ossos de incontáveis

Milhões os quais, na alvorada

Da vitória, sentaram-se para descansar.

E, descansando, morreram”.

É de uma falta de pudor absoluta esta declaração de alguém que, de forma notória, nem sequer deveria ter entrado no Parlamento, quanto mais chegar a vice-presidente de uma bancada parlamentar.

A culpa é nossa porque não percebemos…

O problema é que percebemos, percebemos demasiado bem. Desculpas haverá outras pessoas que as devem a todos os portugueses, mas isso agora já nem interessa nada porque há sempre um patamar novo na erosão do carácter das instituições, que não é imune a quem por lá passa.

Ricardo Rodrigues pede desculpa aos que não perceberam porque ficou com gravadores da Sábado

O deputado e vice-presidente da bancada do PS Ricardo Rodrigues reafirmou hoje que não cometeu nenhum furto ao ficar com dois gravadores dos jornalistas da revista Sábado quando, há cerca de duas semanas, abandonou uma entrevista por considerar que as perguntas que lhe estavam a ser feitas eram “capciosas”.

O corajoso Francisco Assis de Felgueiras por onde anda? Perdeu-se em ambições, desculpem, em combate (político)?

Sobem todos os impostos, cortes drásticos na despesa

IVA, IRS, IRC e outras taxas sobem. PSD ‘corta’ no sector público e investimento

Passos Coelho e Sócrates estavam, ontem à noite, prestes a fechar acordo sobre o mais draconiano plano de controlo das contas públicas desde que o FMI entrou em Portugal, em 1983. Objectivo: reduzir o défice para 7% – menos 0,3 pontos percentuais do que os 7,3% Sócrates garantiu a Bruxelas.

Para isso, todos os impostos vão subir pelo menos até ao fim do ano (sendo que um novo braço-de-ferro fica marcado para Outubro, quando se discutirá o Orçamento de 2011). O IRS era, até ao início da noite, o ponto mais sensível das negociações: o Governo propôs uma tributação autónoma de 1% para rendimentos até 2375 euros, e de 1,5% para rendimentos superiores. Os sociais-democratas tentavam forçar uma taxa mais reduzida para os escalões mais baixos, sendo que só o salário mínimo estava isento para o Governo.

De resto, há acordo na subida do IVA num ponto: para 21%, para 6% nos bens essenciais e 13% na restauração. E também no IRC, com as grandes empresas e banca a terem uma taxa suplementar de 2,5% sobre os lucros.

A estas medidas, avançadas ontem pela TVI, acrescentam-se outras ainda ao nível da receita. Segundo apurou o DN, também a taxa liberatória sobre o capital terá uma subida de 1,5 ponto percentual (para 21,5%). Uma taxa que se aplica, por exemplo, a depósitos a prazo e dividendos.

Com jeitinho, entra depois a juíza de férias…

Férias de jurista aumentaram confusão nos concursos

Ministério não respondeu logo à notificação para tirar avaliação do concurso porque responsável jurídica estava ausente

Houve “necessidade de substituir” a jurista que estava a acompanhar o processo, por esta se “encontrar de férias”. Foi desta forma que, soube o DN junto de fonte ligada ao processo, o Ministério da Educação (ME) justificou a demora na resposta à notificação para tirar a avaliação de desempenho do concurso de contratação de professores.

Um atraso que – além de ter valido uma multa de pelo menos 72 euros, por alegada desobediência, à ministra Isabel Alçada – veio ampliar a indefinição em torno do desfecho destas contratações anuais, às quais se candidataram mais de 50 mil professores.

As listas provisórias de graduação de professores nestes concursos deveriam ser conhecidas ainda hoje. Porém, ao que o DN apurou, neste momento não há garantias de que isso aconteça. Até porque o ministério não se resignou com a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Beja – que deu provimento a uma providência cautelar interposta pela Fenprof – e já recorreu, através de outro jurista (que trabalhou com a equipa da anterior ministra, Maria de Lurdes Rodrigues), no sentido de a avaliação ser mantida em nome do interesse público.

A este recurso vai seguir-se uma resposta da organização sindical, sendo que, até à decisão definitiva, pode acontecer uma de duas coisas: ou as listas de professores são elaboradas sem considerar a avaliação, o que à partida eliminará de vez a utilização desse factor este ano, ou os concursos ficam em suspenso enquanto não houver sentença do tribunal.