Quarta-feira, 12 de Maio, 2010


A festa nunca foi grande, mesmo se ali pelos anos 90 chegou a pensar-se que… Agora, pá, depois dos milhões despejados pela Europa, parece que estamos mais ou menos no mesmo ponto, só que custa mais porque houve quem chegasse a ter peneiras.

Com toda a sinceridade, não me parece que exista grande energia para a tensão, até porque ainda estão a tentar resolver, apesar de tudo, as coisas com algum cuidado, de acordo com o que mandam lá de fora. E a dois, que é para o senhor que se segue não poder dizer que discorda(va).

Não estou a ser derrotista, estou apenas a tentar perceber como fazer omoletes com gema em pó e a água cortada, por falta de pagamento.

Sempre achei que a melhor forma de enfrentar as fases más é não fingir que elas são outra coisa. Não é possível um tipo levantar-se do chão se tenta convencer-se que ainda está de pé.

Verdade se diga que os verdadeiros culpados estão quase todos a salvo, muitos deles atraídos pela estranja logo que puderam, outros em prateleiras douradas e um ou outro aqueloutro menos sofisticado a achar que ainda pode fazer mais do que dar recados.

Os TGVs, à imagem dos 10 Estádios do Euro, na senda dos grandes desígnios nacionais

Governo e PSD discutem corte de cinco por cento nos salários de políticos e gestores públicos

Zapatero baja el sueldo de los funcionarios un 5% desde junio y congela las pensiones

pois na UE consta que ao engenheiro, no seu labirinto, ninguém fala .

Na primeira página do I de hoje:

Teixeira dos Santos negoceia subida de impostos com PSD

Página seguinte »