Domingo, 25 de Abril, 2010



Parker Lewis Can’t Lose

Eu sei que quase ninguém se lembrará. Talvez por isso mesmo se possa considerar de culto. Apareceu ali mesmo no início dos anos 90.

Para quem a quiser desmerecer, foi por lá que vimos uma Milla Jovovich muito novinha e o Kubiak acabaria no ER.

Título pomposo, como se de algo muito importante se tratasse.

No fundo deu-me um ataque meio esquisito, armei-me em delegado de grupo por uma vez e estive a fazer os cálculos do peso relativo das diversas áreas/competências avaliadas pelas provas de aferição de LP para o 6º ano desde 2001 (Leitura/Conhecimento Explícito da Língua e Expressão Escrita) para enviar aos meus colegas.

E cheguei à conclusão que andamos a ensinar gramática sem grande necessidade, pois o que interessa é que os miúdos saibam contar uma boa história.

A 2ª parte da prova – a chamada composição, à moda antiga – valeu sempre 32 pontos num total que oscilou entre os 61 (2003) e os 76 (2001). O que significa entre 42% e 52,5%, com a média nos nove anos a ser de 46%.

A 1ª parte da prova, com a compreensão da leitura e aquilo que vulgarmente chamamos gramática foi tendo pesos oscilantes, com esta última a pesar entre 17,4% (2005 e 2007) e os 24,3% (2004 e 2008), sendo a média de 20%.

Portanto, o mais importante na avaliação feita pelo GAVE é que os miúdos percebam o que lêem e que escrevam uma história mais ou menos articulada. O resto é relativamente periférico.

Nem se percebe bem porque o novo programa de LP vem carregadinho de conteúdos gramaticais…

O ARGUIDO E O SEU ESTATUTO

Creio ter sido Miguel Esteves Cardoso que um dia escreveu  “ É bom e confortável  ser arguido em Portugal”

Subscrevo inteiramente esta opinião do ex-revolucionário escritor.  O estatuto de arguido é uma espécie de matagal onde se pode esconder o ladrão até que a caça ao homem termine.

O grande problema em condenar está na existência ou inexistência de prova. Os Srs Juízes têm inúmeras vezes que absolver só porque a prova não se pôde fazer.

Pois bem, mas mesmo assim, persiste-se em não interrogar os arguidos, se eles se recusarem ao interrogatório judicial.

E a prova, que já era difícil, passa a partir daí, a ser impossível.

Vem esta reflexão a propósito do “boy” Rui Pedro Soares, que é arguido no caso TVI.

Esse rapaz encheu-se de emborcar vencimentos mensais astronómicos  como administrador de uma empresa semi-estatal, tendo sido nomeado, para as suas funções, pelo poder socialista vigente.

Toda a gente já percebeu que o moço apenas quis fazer a vontade (expressa ou subentendida) a quem o nomeou. Só que para lá chegar é preciso a prova da confissão. Mas como o Boy Pedro não se quer confessar, bem podem os srs procuradores acusá-lo disto ou daquilo. Vai tudo ficar em águas de bacalhau, e Rui Pedro Soares,  confortavelmente sentado na cadeira de arguido, apenas aguarda , de perna cruzada, a esperada sentença de absolvição.

Cunha Ribeiro

Menos conhecidas, de Ana Hatherly, disponíveios no Arquivo Fotográfico Municipal da CML.

Proposta pelo governo do PSOE, com azedas críticas do PP:

PACTO SOCIAL Y POLÍTICO POR LA EDUCACIÓN

Os objectivos são sempre retumbantes na formulação:

1. Adoptar las medidas necesarias para que todos los estudiantes finalicen la educación obligatoria con los conocimientos, competencias básicas y valores necesarios para su desarrollo personal y profesional y para su
continuidad en estudios posteriores en el marco de la formación y el aprendizaje a lo largo de la vida.
2. Garantizar la equidad y la excelencia en todos los niveles educativos y evaluar los resultados del alumnado y el funcionamiento del sistema, como factores imprescindibles para continuar mejorando la calidad de la educación.
3. Fomentar que todos los estudiantes continúen su formación, como mínimo hasta los 18 años, flexibilizando las diferentes ofertas formativas, fomentando el aprendizaje a lo largo de la vida y ofreciendo alternativas que permitan compatibilizar formación y empleo.
4. Ampliar y flexibilizar la oferta de formación profesional, tanto para los jóvenes en edad escolar como para la población adulta, y adoptar medidas que permitan compatibilizar formación y empleo, para posibilitar el desarrollo de las capacidades personales e incrementar los niveles de formación y las posibilidades de acceso y permanencia en el mercado de trabajo del conjunto de la población.
5. Incrementar el uso de las tecnologías de la información y comunicación como instrumentos habituales de trabajo en todas las áreas de conocimiento de los distintos niveles educativos.
6. Promover un conjunto de medidas en el ámbito escolar y social con el fin de garantizar que todos los jóvenes se expresen con corrección, al menos, en un idioma extranjero, especialmente en inglés.
7. Conseguir que todos los centros sostenidos con fondos públicos, los públicos y los privados concertados, garanticen un servicio educativo de calidad, sin discriminación alguna, con autonomía de funcionamiento, con los medios necesarios para atender a todo el alumnado y con equipos de dirección con una mayor profesionalización.
8. Promover la excelencia, la investigación, la innovación, la transferencia del conocimiento, la igualdad de oportunidades y la difusión de la cultura científica y humanística en la enseñanza universitaria.
9. Asegurar que ningún estudiante se vea privado de continuar estudiando por falta de recursos económicos, fortaleciendo el sistema de becas y ayudas al estudio para dar respuesta a las nuevas necesidades de la sociedad española, y estimulando el mayor rendimiento del alumnado.
10. Promover una mayor implicación de las familias y los medios de comunicación, en el trabajo conjunto con el profesorado, para fomentar que el alumnado asuma responsablemente sus derechos y deberes, practique la solidaridad y el respeto a los demás, y se ejercite en el diálogo afianzando los valores comunes de una sociedad participativa y democrática.
11. Conseguir que el profesorado disponga de la preparación necesaria para hacer frente a las necesidades actuales y futuras de la labor docente, con una buena formación, tanto en los aspectos científicos como
pedagógicos, motivado y que desarrolle su tarea en las condiciones óptimas para lograr la mejor formación de todo su alumnado.
12. Asegurar la educación inclusiva, el reconocimiento de la diversidad y la interculturalidad, y procurar los medios y recursos adecuados para que todos los centros educativos puedan garantizar la plena ncorporación, en condiciones de igualdad de oportunidades, de los estudiantes con necesidades específicas de apoyo educativo.

Sobre a carreira docente, uma formulação retórica onde pode caber um pouco de tudo:

Debemos avanzar en un nuevo concepto de carrera profesional docente basado en el estímulo y el reconocimiento de los méritos acreditados, así como en la plena implantación de los procesos de formación inicial y permanente adaptados a las nuevas necesidades.
Para avanzar en la dirección señalada, además de las medidas contempladas en otros apartados, se hacen las siguientes propuestas.

Propuestas
119. Estableceremos, en el ámbito de la mesa sectorial de la enseñanza pública, el marco básico del Estatuto Docente para el profesorado de todo el Estado, respetando la legislación educativa de las distintas Comunidades Autónomas y sus competencias en la materia, y en el que se han de recoger, entre otras, las siguientes cuestiones:
* Una formación inicial de calidad que asegure que todo el profesorado de nueva incorporación tenga las competencias que actualmente necesita el sistema educativo.
* Un sistema de ingreso en la función pública que asegure la selección de los mejores profesionales.
* Una promoción vertical entre cuerpos docentes que resulte realmente eficaz.
* Una promoción profesional horizontal, en el propio puesto de trabajo, con un sistema de incentivos económicos en la línea de los países de nuestro entorno, ligada a la práctica docente, al trabajo en el aula y en el centro y a la formación permanente.
* La posibilidad de la prórroga del vigente sistema de jubilaciones anticipadas recogido en la Disposición transitoria segunda de la LOE, hasta que se regule la edad de jubilación de los distintos colectivos de trabajadores en el marco del Pacto de Toledo.

Se iniciará la negociación del Estatuto antes del 1 de junio de 2010 y se desarrollará durante el año 2010.

Un parent d’élève frappe une conseillère d’éducation : il écope de deux mois de prison ferme

Le père d’une élève de troisième a été condamné, mercredi, à Toulouse, à cinq mois de prison, dont deux mois ferme, pour avoir frappé une conseillère d’éducation d’un collège de Haute-Garonne, a indiqué son avocate. Agostinho Sarmento Pires, un maçon de 41 ans en détention provisoire depuis le 12 mars, comparaissait pour s’en être violemment pris, deux jours plus tôt, à la conseillère principale d’éducation (CPE) du collège de Cugnaux, où était scolarisée sa fille. Cette agression avait suscité une vive émotion dans le corps enseignant.

Pires a également été condamné à verser 1.500 euros à la conseillère au titre de préjudice moral, à l’euro symbolique de dommages et intérêts au collège de Cugnaux et à 200 euros d’amende pour être entré indûment dans l’enceinte du collège, a indiqué l’un ses avocats, Me Axelle Chorier. Le tribunal correctionnel de Toulouse a suivi intégralement les réquisitions du parquet quant à la peine de prison, au cours d’une audience qui s’est tenue 24 heures après que le président Nicolas Sarkozy eut proposé de nouvelles mesures contre la délinquance dans les écoles.

State Teachers’ Union Urges More Oversight of Charters

A Buffalo charter school, run by a for-profit company, received $7.2 million in taxpayer money last year to educate about 500 elementary and middle school students. But at the end of the year, the audit it submitted to the state listed its expenses only in broad brushstrokes, including $1.3 million in rent for a building the company owned, $976,000 for executive administration and $361,000 in professional fees.

… mas eu nem sei bem já o que diga quando ele me dedica parcialmente um post em que, na prática, me atribui um estatuto que eu nunca reclamei mas que ele (e mais algumas pessoas) parecem querer atribuir-me ao mesmo tempo que criticam quem dizem atribuir-mo.

Confusos?

Nem por isso. É apenas a lógica da pescadinha de rabo na boca.

O Francisco Santos considera, por exemplo, que o Plano Inclinado que passou ontem visou, de algum modo, obscurecer o trabalho reflexivo de mais de 800 delegados ao 10º Congresso da Fenprof.

Espero, ansioso, pela crítica do Francisco Santos ao agendamento do Benfica-Olhanense para o mesmo horário, apostando eu que a maioria dos delegados ao Congresso estariam, a essa hora, mais entusiasmados com o penalty do Cardozo e a expulsão daquele tipo que nem tive o tempo para fixar o nome do que com a reflexão que teriam feito ao longo de dois dias de aturada ratificação, desculpem, votação das propostas que lhes foram servidas, desculpem, apresentadas pelas chefias, desculpem, estruturas de coordenação.

Então, porque será que um professor empenhado, um indivíduo atento, informado e esclarecido, aceita ser usado por uma comunicação social empenhada em desvalorizar o sindicalismo de classe, e em amesquinhar a classe docente e a escola pública para todos, como no caso desta notícia do Diário Económico, ou no agendamento de um programa televisivo, em que ele participou, para o dia do fim do congresso da Fenprof?

É que sobre “teorias da conspiração” há mais quem veja tanto ou mais do que o P.Guinote.

De facto, agendar o Plano Inclinado para a noite do encerramento do X Congresso da Fenprof, quando podia ter sido passado na semana passada (por já estar gravado) ou na próxima e seguintes, revela alguma coincidência a que não será estranha a postura do pivot do programa e dos seus colaboradores residentes. O P.Guinote não terá culpa nenhuma de tal facto, mas lá que se pôs a jeito, não restam dúvidas.

Da mesma forma que se pôs a jeito quando permitiu que a jornalista do DE lhe atribui o mesmo estatuto de representatividade que é reconhecido aos secretários gerais da FENPROF e da FNE, na tal notícia do DE.

O narcisismo tem limites e, estou certo, o próprio P.Guinote é capaz de se sentir incomodado quando a voz que lhe é dada é comparada com o esforço reflexivo de mais de 800 colegas, que como ele trabalham diariamente nas escolas, são directores de turma, têm alunos do currículo regular, mas também com NEE’s, PCA’s, CEF’s, EFA’s, PIEF’s, CNO’s, horários de 35 e muitas mais horas na escola e, fazendo tudo isto, continuam a acreditar que em conjunto, debatendo, discutindo, “partindo pedra”, ouvindo outras experiências e tomando contacto com outras realidades, se acaba por tomar decisões mais acertadas e que servem melhor todos nós.

Há que ter a noção das realidades.

Algo que eu tenho.

O Francisco Santos não.

Atribui-me um protagonismo que eu próprio não assumo.

E para terminar, até em nome de uma coisa que por aí alegaram em comentários – a (des)onestidade intelectual -, todos ou quase sabem (e se não sabem podem perguntar a quem quiserem) que não sou eu a telefonar a ninguém para prestar declarações a jornais ou aparecer esporadicamente em programas televisivos.

Também não me parece que seja por eu ser um tipo todo giraço nos meus fracassado 98 quilos (almocei no Alcanena, devo estar novamente a bordejar a centena). Nem por eu debitar discursos recorrentes e desacreditados. Ou conspirativos.

Muito menos por eu, por mim só, conseguir fazer frente à Fenprof e ao ME de uma só vez.

Um conselho, meu caro Francisco (e outros na mesma linha): não temam nada. Isto são coisas passageiras, efémeras e há que saber lidar com elas. Não aspiro a tirar-vos o lugar, seja disputando-o nos sindicatos ou em organizações paralelas. Já me cansei de explicar que aos 45 anos não me apetece passar por aquilo que já aos 25 me entediava só de pensar.

Não sou um homem de organizações.

Sou um professor(zeco, raso, agora com os mesmos obstáculos à progressão do que antes por um triz, pois ia ficando com mais), que dá as suas aulas e agora está (pre)ocupado com os seus alunos que fazem prova de aferição daqui a pouco mais de uma semana porque combinámos objectivos (80% de sucesso era bom com 15 alunos de PCA) e há que trabalhar.

O resto é a espuma dos dias. Só isso.

Aquietai-vos que não vos invejo a cutelaria que, para mais, considero escassa.

Post scriptum: o Francisco Santos conseguiu escrever aquilo tudo sem (assumidamente) ter visto o programa. Aposto que estava a ver a bola.

“As revoluções são sempre incompletas, sempre”

(…)

Concretamente, em relação à educação, o que tem a dizer?

Em relação à educação, o que está no haver é a universalização. Todas as crianças, todos os jovens vão à escola, a escolarização é completa, a rede escolar cobre o País inteiro, toda a gente tem acesso à educação e à escola, não há barreiras definitivas. O apoio social é considerável, não é muito grande, mas é considerável, há bolsas de estudo, até mesmo para o ensino secundário e ainda mais no ensino superior. Isto é o que está no haver, está conseguido. Parece um lugar-comum, que é uma coisa simples. Não é. Para Portugal, não é. Portugal puxou o analfabetismo e a falta de educação até muito tarde, só nos finais nos anos 60, meados, nos finais dos anos 60, ainda no antigo regime, é que começou a haver qualquer coisa no sentido de estimular, fomentar a educação. Recordo que o programa do eng. Veiga Simão, quando foi ministro do Marcelo Caetano, era democratizar a educação. A democratização da educação começou ali. Mas, de facto, foi depois do 25 de Abril que as coisas atingiram a dimensão que atingiram. O que está no deve? Que os princípios inspiradores – a teoria geral, a estratégia, a organização filosófica, cultural e política da educação – deram errado. As modas efémeras, as modas pedagógicas, a inversão de tantas funções… o facto de hoje se dizer em Portugal – e creio que noutros países, não é um facto só português – “o importante são as competências, não é saber.” Isto a meu ver é um erro. Há quem diga que é mais importante uma pessoa saber ler o horário do comboio ou a bula do medicamento do que ler Camões ou Platão, isto é outro erro. A democracia cultural e da educação é dar a toda a gente Platão, Aristóteles, Camões, seja o que for. Isso é que é saber. Substituir por competências é um erro. Dizer que na sala de aula são todos iguais, professores e alunos, é outro erro. Dizer que aprender é um prazer e não um trabalho e um esforço é outro erro. Estes princípios – dizer que a sala de aula é um sítio de aprendizagem, não é um sítio de ensino – são outro erro. São estas inversões nos princípios que presidem à educação que a meu ver deram errado. E deram errado, vejam-se os resultados.

José Sócrates protege Parque Escolar

Requalificação de escolas é prioridade de investimento

O primeiro-ministro defendeu ontem, sábado, a Parque Escolar contra as críticas de que a empresa é alvo, por parte de uma “aliança terrível”. A requalificação das secundárias, insistiu mais uma vez, é a prioridade de investimento do Governo contra a crise: mil milhões de euros.

“Quem faz e rápido é sempre objecto de críticas”, afirmou José Sócrates, na cerimónia de reinauguração do Liceu Passos Manuel, em Lisboa. O primeiro-ministro defendeu a empresa responsável pelo programa de requalificação das escolas secundárias contra as críticas de uma “aliança terrível”, baseada na “mesquinhez, inveja e mediocridade”.

O senhor engenheiro de exuberante obra visível nas serranias não consegue compreender que depressa e bem há pouco quem e nunca deve ser base de argumentação para justificar agilizações de procedimentos que implicam o uso de dinheiros públicos na ordem de muitos milhões quando depois, na vida diária das escolas, nem um euro pode bater errado na gestão de um bar.

A sério… já nem penso que isto seja uma estratégia ocasional e instrumental, parece ser mesmo um traço estruturante do pensamento.

Professores vão juntar-se à manif da administração pública em Maio

Docentes contestam políticas globais do Governo e decisões concretas como contabilizar a avaliação nos concursos deste ano.

A Fenprof vai mobilizar os professores para a manifestação nacional da administração pública que decorrerá no final de Maio e ainda para os protestos que se realizarão em todo o País no 1º de Maio. Foram estas as principais acções de luta aprovadas no 10º Congresso Nacional da Fenprof que terminou ontem em Montemor-o-Novo.

“Queremos estar na afirmação daquilo que é próprio dos professores, mas ao mesmo tempo estamos conscientes de que os problemas que nos afectam são os que afectam todos os outros portugueses, porque decorrem de políticas do governo”, disse Mário Nogueira, secretário geral da Fenprof, em declarações aos jornalistas.

Também presente no encerramento do congresso, o líder da CGTP, Carvalho da Silva, saudou os professores pela “grande dimensão e importância da sua luta, tendo sempre uma preocupação de afirmação da escola pública e da qualidade do ensino, ligada à defesa dos seus direitos e interesses”.

Estou mesmo curioso quanto à publicação pelo SPGL de um texto que me foi pedido sobre os desafios colocados à acção dos docentes porque, tendo sido escrito já há umas semanas, parecia antever isto mesmo…

Não é grande mérito.

Porque é quase como prever que a chuva molha e o sol nasce a nascente.

Há valores mais altos que se levantam para alguns do que lutar pelo reforço da identidade profissional…

A pressão contra a defesa dos direitos específicos da nossa classe profissional tem uma dupla origem…

… porque é sempre chato quando as bases – só sendo consultados sempre que possível – escapam aos mecanismos de enquadramento.

Sindicato dos Transportes considera ilegal paralisação dos camionistas

Alguns dos trabalhos feitos quase de improviso, com cartolinas que levei e os materiais de escrita disponíveis na aula de LP,  na passada 6ª feira pelos alunos do meu PCA de 5º ano que não estavam a ensinar a fazer cravos na aula de EVT aos alunos de outra turma.