A denúncia para a comunicação social:

Concursos para professores com “irregularidades”

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) acaba de apelar aos docentes para que não apresentem as respectivas candidaturas aos concursos de colocação que hoje tiveram início e que, denuncia, “já registam algumas irregularidades”.

(…)

Sem criticar a influência da classificação na lista de graduação dos candidatos, a Fenprof limita-se a apontar as referidas irregularidades. Especifica que a aplicação electrónica da Direcção Geral de Recursos Humanos da Educação, em que são pedidos os resultados da avaliação quantitativa e qualitativa, apenas permite introduzir os intervalos de cada avaliação (no caso do Bom apenas aceita as notas de 6,5 a 7,9, por exemplo). Um problema já denunciado em caixas de comentários de vários blogues sobre Educação, na medida em que, como aponta a Fenprof, devido à existência de quotas ou por não terem sido pedidas aulas assistidas, alguns professores tiveram notas quantitativas superiores à avaliação qualificativa (por exemplo Bom, nota final 8).