• Luís Carmo morreu porque era frágil psicologicamente (e demonstrou-o!), de acordo com o Director-Regional de Educação de Lisboa.

Nada como as instituições portuguesas para darem rapidamente as explicações correctas para o que se passou e evitarem perturbações desnecessárias.

Não deixa de ser curioso que em Fitares exista quem já disponha do que ao colega falecido faltou (ler algumas coisas que são transcritas nesta notícia desaconselham mesmo qualquer comentário mais frontal, porque pode sair a 300 à hora) , assim como não deixa de ser interessante que no caso da agressão violenta verificada numa escola da Moita, se destaque que o aluno (agressor) esteja calmo e a frequentar a escola sem agitação do seu quotidiano.

No fundo as aparentes vítimas não o são. Vítimas são aqueles que podem ver a sua vida perturbada pela vitimização dos desaparecidos, esses egoístas, em busca de atenção e/ou entregues a uma alegre depressão.

Deveriam ser extintos.

Eugenia, já!

Dos fracos não deve rezar a História!

Andassem por cá e deveriam levar dez dias de suspensão que é para não se armarem em vítimas…

Anúncios