Já o escrevi algures neste blogue: acho Rui Ramos um historiador muito bom, sendo que é raro usar este tipo de apreciação para aqueles que exercem de um ofício em que eu sou mero biscateiro.

Enquanto analista político e social acho-o mediano-quase-bom, mais um fruto da moda do momento do que de outra coisa. Atira assim uns laivos de direita inteligente, que é coisa que nem é assim tão rara como dizem.

O problema é quando ele próprio se acha giro, aí é que borra a pintura toda. Qual MST em início de carreira, Rui Ramos elege como pior momento da governação deste mandato (cf. Visão de hoje, p. 38), o acordo entre o ME e os sindicatos de professores. As opiniões são livres, pelo que respeito a de Rui Ramos. Assim como acho que ele compreende que eu ache que tal opinião é uma parvoíce, em especial a da intransigência egoísta.