Quarta-feira, 27 de Janeiro, 2010


Coisas novas pela FOX, assim entre o médio e um pouco mais. A primeira é séria e tem o Tim Roth, enquanto a segunda é mais divertida pelo pastiche dos anos 70, com FC à mistura, tem o Harvey Keitel e o Michael Imperioli com um cabelo e bigodaça de ir às lágrimas.

Hoje deu alguma celeuma este artigo de Clara Viana no Público:

Vem aí uma geração de rapazes frustrados

Em quase todos os países ocidentais, os rapazes abandonam cada vez mais o ensino no final da escolaridade obrigatória. Têm capacidades para ir mais longe, mas as escolas poderão estar a avaliá-los mal, privilegiando as raparigas. Podemos estar a criar (ou já criámos?) uma geração de excluídos e uma nova classe baixa – a dos homens.

É interessante, mas já agora podemos recuar (pelo menos) dez anos e ler este de Christina Hoff Sommers que eu já linkei no Umbigo e que é seminal no tratamento desta questão:

The War Against Boys

This we think we know: American schools favor boys and grind down girls. The truth is the very opposite. By virtually every measure, girls are thriving in school; it is boys who are the second sex.

.

Entre nós até o atraso chega atrasado.

Os negócios do filho de Duarte Lima com o BPN

O BPN colocou 60 milhões de euros à disposição de um fundo de investimento do filho de Duarte Lima e de um sócio, ex-deputado do PSD. O fundo criado em 2007 comprou 35 terrenos, por cerca de 48 milhões de euros, junto ao então projecto do Instituto Português de Oncologia, que Isaltino Morais queria ver construído em Oeiras.
O Banco Português de Negócios (BPN), através do departamento de Private Banking – vocacionado para créditos especiais aos clientes mais ricos –, aprovou em 2007 uma operação de empréstimo cujo limite máximo chegava aos 60 milhões de euros. O crédito, depositado numa conta-corrente caucionada pelo BPN, visava um negócio específico: a compra de centenas de milhares de metros quadrados de terrenos no concelho de Oeiras, junto ao local onde poderiam ter ficado as novas instalações do Instituto Português de Oncologia (IPO).

Os documentos recolhidos pela SÁBADO revelam que a operação financeira do BPN foi realizada em “parceria” com o cliente Homeland, um fundo especial de investimento imobiliário fechado, anónimo, comum no sector financeiro português e aprovado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Nestes fundos, a identidade dos investidores nunca é revelada publicamente. Esta situação permitiu manter no anonimato um arriscado negócio imobiliário – que causou polémica interna no BPN – e, sobretudo, a identidade dos dois discretos investidores particulares: Pedro Miguel Lima, filho de Domingos Duarte Lima, o histórico social-democrata, e o ex-deputado do PSD, Vítor Igreja Raposo, amigo e actualmente sócio de Duarte Lima.

O truque está oculto no 270/2009 (ver p. 6) e era bom que quando passassem as consequências do acordo a limpo se lembrassem de alterar isto, pois esta disposição transitória pode implicar que um docente que transite de escalão a 1 de Janeiro de 2010, tendo o 1º ciclo de ADD terminado em 31 de Dezembro de 2009, tenha de esperar até ao fim do ano para receber o que lhe é devido e submeter-se a uma apreciação (???) intercalar em moldes não explicitados e de acordo com uma lógica que deriva directamente do mais raquítico tubérculo:

b) Os docentes que preencham o requisito de tempo de serviço no ano civil de 2010 podem progredir ao escalão seguinte da categoria desde que, cumulativamente, tenham obtido na avaliação de desempenho referente ao ciclo de avaliação 2007 -2009 a menção qualitativa mínima de Bom e que, a requerimento dos próprios, seja efectuada, em 2010, uma apreciação intercalar do seu desempenho para efeitos de progressão e que a menção qualitativa obtida seja igual ou superior a Bom;

“Muitas leis produzidas não têm correspondência à realidade”

Na cerimónia da abertura do ano judicial, Cavaco Silva afirmou que o novo regime do divórcio é um daqueles casos em que “as leis produzem o efeito contrário à intenção do legislador”.

“Muitas das leis produzidas entre nós não têm correspondência à realidade portuguesa. Em alguns caso as leis produzem o efeito contrário à intenção do legislador”, disse o Presidente da República.dando como exemplo o novo regime do divórcio.

Embora seja compreensível num militante, desculpem, simpatizante, desculpem outra vez, emigrante do CDS.

Valter Lemos não apoia Alegre

O secretário de Estado do Emprego, Valter Lemos, não apoia a candidatura de Manuel Alegre à Presidência da República e garante que será «objector de consciência» se o PS o apoiar.

Ainda hoje uma colega em exercício numa escola das cercanias de Braga me contava como alguém, nos serviços administrativos, inventou uma regra estranha em que o ano sabático tem três anos para a fazer permanecer no índice 151 pelo 4º ano que está nos quadros, após ter feito a profissionalização nos dois primeiros. E o artigo 31º do ECD que se lixe.

Escolas geram desigualdade nos salários

Algumas escolas portuguesas não cumpriram as novas regras sobre os estágios. Há docentes que vão receber mais 200 euros que outros com a mesma formação, contratados na mesma altura.

Mas este foi um dos aspectos do grande legado do mandato anterior: o total desnorte sobre o que fazer em circunstâncias semelhantes, tudo ao sabor de secretarias, direcções ou direcções regionais, conforme o sabor e humor do momento.

Tudo à cata do tostão do professor mais distraído ou indefeso.

Página seguinte »