Peço desculpa a quem me enviou os materiais por não ter sido possível ir em busca da declarações da ditosa MLR conforme solicitado, mas desenvolveu-se-me um eczema atópico mal digitei tal coisa no Google.

Bom dia, Paulo!
Votos de uma excelente semana de aulas.
Envio-lhe em anexo algumas fichas de avaliação que imprimi, a partir da aplicação informática criada pelo Ministério.
Estas demonstram como é possível obter a menção final de Muito Bom, obtendo essa classificação em apenas QUATRO parâmetros entre QUINZE.
Mais ainda, é possível ser-se “Muito Bom”, mesmo que se obtenha a classificação de “Regular” na adequação das estratégias e dos conteúdos e na avaliação que se faz dos alunos. O professor Muito Bom é aquele que avalia mal o seus alunos.
Mudando apenas um parâmetro (baixando o das TIC para Bom), a menção final já será BOM.
Não lhe estou a mandar nada que seja desconhecido para o Paulo.
Gostaria que isto fosse utilizado numa peça jornalística, tipo:
“Afinal, de que se queixam os professores?”
1. Foram praticamente todos avaliados.
2. A percentagem de Regulares foi residual.
3. Muitos deles obtiveram classificações de mérito.
Porque não querem esta avaliação?

Intercalar isto tudo com uns excertos de citações da anterior Ministra, onde esta fala de RIGOR, de MÉRITO e de DISTINÇÃO.
C.