Parlamento vai discutir quotas da avaliação

Professores pedem aos partidos que aprovem fim das quotas, o que teria efeitos em toda a função pública.

Depois da luta com o Ministério da Educação (ME) e da assinatura de um acordo, os sindicatos voltam-se agora para a Assembleia da República para conseguir o que a tutela não lhes garantiu ainda: o final do sistema de quotas na avaliação e a recuperação dos dois anos e quatro meses de carreira que foram congelados. Pode estar à vista uma nova luta, já que só o Bloco de Esquerda (BE) e o PCP dizem abertamente que vão defender estas reivindicações que teriam consequências na avaliação de toda a administração pública (AP), enquanto os restantes partidos também não fecham a porta.

Não estão mesmo a ver o PSD a esquivar-se como da outra vez, agora que estão  com tanto sentido de Estado e preocupados com as poupanças?

Bom, a menos que a poupança não interfira com o JArdim:

Dinheiro para a Madeira ameaça Orçamento do Estado

(…)

No momento preciso em que o Orçamento de Estado parece ter apoio garantido à Direita, esta passou a ser “a questão política central” – podendo conduzir a um bloqueio parlamentar. E, até aqui, há mesmo um impasse absoluto: o Governo nada quer, a oposição não cedeu. “Quarta-feira”, diz ao DN Guilherme Silva, deputado do PSD, “é a hora da verdade”.