Nossassenhora que isto das letras e das línguas não se dá nada bem com os números. No I de hoje – ao lado dos quadros estatísticos que demonstram o contrário, excepção feita à rede pré-escolar – pode ler-se que:

“O que me salta aos olhos é que o sistema educativo antes do 25 de Abril era realmente mau, porque 99% da população estava excluída da escola”, desabafa Paulo Feytor Pinto, presidente da Associação de Professores de Português.

Podemos ter muitas críticas sobre o modelo educativo do Estado Novo, mas daí a entrar pelo território do total desconchavo vai um enorme passo. Acreditemos que foi apenas distracção de alguém, emisor ou receptor destas declarações.

Mas é claro, também, que analisar a evolução do sistema educativo português em perspectiva histórica compadece-se pouco com balizas cronológicas fixas. A maior parte das considerações que se podem fazer sobre o período em causa, poderiam ser feitas para os 50 anos anteriores, ou 100, ou mesmo 150.