Vi de passagem a entrevista de Pedro Passos Coelho na RTP – acho que foi o pretexto próximo – a propósito do lançamento do seu livro Mudar.

Ouvi muito sobre tricas e lutas de poder no PSD mas praticamente nada sobre o país.

Mas parece que no livro estão sistematizadas as suas ideias para as várias áreas da governação do país como é o caso da Educação.

Tendo saído hoje o livro, suponho que no dia 13, 4ª feira da semana passada, já estivesse impresso ou quase. Pelo menos acho que a versão final já deveria estar escrita, aquela que plasma (gosto da palavra…) as ideias do candidato a líder do PSD e, indirectamente a primeiro-ministro deste país.

Ora eu tinha sido convidado para participar num encontro entre PPC e bloggers nesse dia, no Spazio Buondi, a partir das 13 horas, com o objectivo de se trocarem ideias sobre diversas matérias, entre as quais a dita Educação. Constava que era para PPC recolher ideias junto deste estrato novo da sociedade civil activa que é a blogosfera.

Não fui, desmarcando a minha presença já durante a manhã, não por qualquer desafeição para com PPC, mas porque afazeres pessoais e aquela chuva brutal me baralharam o dia todo.

Fiquei com pena porque gostaria de confrontar e debater algumas ideias em torno da questão da liberalização de alguns sectores de actividade do Estado, como a Educação e a Saúde, de que PPC parece ser apoiante. Assim como dos cheques-ensino e dessa quimera que é a liberdade de escolha das escolas pelas famílias.

Mas agora percebo que de nada serviria, porque PPC já teria as suas ideias definidas e, no mínimo, em pré-impressão nesse momento. A menos que o repasto fosse aceitável, eu só teria ido gastar tempo e paciências, para além de estragar o cenário com a minha melena revolta e desgrenhada em dia de chuva e vento.

Um relato, muito vago, do encontro está no Aventar. Pelo que percebi nada haveria verdadeiramente a debater e muito menos a alterar nas ideias de PPC.

O que é pena.