Para quem se lembra o título é a evocação de um dos primeiros hinos dos Stranglers, banda que apanhei no declinar da adolescência.

No presente, serve para dizer que  um erro recorrente, mas desnecessário, em muita gente é o de procurar ídolos a que seguir, faróis que iluminem o caminho, sempre firmes nas convicções e certeiros nas opções.

Isso é coisa que não existe.

Claro que cada um de nós julga ter razão nos juízos que faz e atitudes que toma, caso contrário faria diferente. Não é muito comum ver alguém a fazer algo que ache ser o pior para si ou mesmo algo menos bom.

Por isso mesmo, acho deliciosa esta declaração em que ainda não tinha reparado, na barra lateral do blogue do Octávio:

Não vale a pena o Octávio chatear-se. Apenas percebi que ele fez o mesmo que eu. Dou-lhe os meus parabéns. Ao contrário dele, eu não adjectivo com muita facilidade, nem me auto-designo isto ou aquilo. Eu sei que ele também só declarou, em devido tempo, que não entregava a FAA. E foi o que fez. Só que eu é que de vez em quando ainda levo umas pedradas e remoques em cima da parte de quem acha que é culpa minha não ter sido avaliado(a).

Disclaimer: Pensei muito antes de escrever este post, para não ser acusado disto ou daquilo. Só que ando com a corda solta e com pouca vontade de conter o que me apetece.