Esta situação chegou-me por mail há um par de dias por mail, pedindo eu autorização para a divulgar, algo fui atrasando por causa das outras novidades:

Embora este possa ser considerado um caso pessoal, haverá outras situações semelhantes.
Tive o azar de ser apanhado por um avaliador, escolha política do PS, figura influente no meio social e arredores, que considerou obrigatória a definiçã0 de OI e que estabeleceu e fez cumprir um calendário elaborado à luz de uma leitura totalmente obediente e colada às regras dos diplomas mais contestados. Daí que em 15 de Julho de 2009 o processo estivesse completamente encerrado.
Classificação: Regular – sem apelo, visto o não cumprimento de uma disposição “obrigatória”.
É certo que o 11/2008 e o último ponto do acordo agora firmado, salvaguardam a hipótese de alguém ter obtido INS. ou REG. e, no meu caso pessoal, tudo se irá resolver. Mas considero um derrota pessoal a luta contra os OI que, afinal, apenas prejudicou os “heróis” como eu, que não tive a sorte de estar numa escola em que o processo só tenha sido encerrado depois das eleições ou ainda não tenha sido encerraado, como sabemos ainda haver.

E no acordo nada foi estabelecido em relação à avaliação de quem não entregou OI, independentemente da classificação obtida. Não sei se é legítimo, mas constitui mais uma flagrante injustiça, constitui.

C.