O que parece estranho no meio destes anos todos de discussão em torno da carreira docente, etc, etc, é quem ainda ou não perceba as coisas ou insista em não querer perceber.

Esta crónica de Raquel Abecassis é mais um exemplo de quem se deixa seduzir – ou usa em forma de manipulação – pela metáfora militar para criticar as aspirações dos professores.

E depois há toda uma sucessão de imprecisões em tão curta crónica que até faz doer. O problema é que quem ouve não sabe como desmontar e toma por boa uma opinião eivada de preconceitos e equívocos.

Foi com isso que o ME também contou na última semana, ou seja, um novo arregimentar de (embora cada vez mais escassas e localizadas) opiniões que parecem ter saído da investida de 2006.