Já recebi há uns dias outro esquema, que achei omisso numa das transições, pelo que fica aqui este, elaborado pelo Bruno Morais.

Atenção: isto é válido para uma carreira contínua, pelo que devem sempre ter em consideração que para quem está na carreira o que neste momento é mais importante é saber há quanto tempo está no actual escalão/índice.

Para este cálculo foi pressuposta a progressão no tempo mínimo possível. A equiparação entre tempo de serviço e índice remuneratório deixou de ser linear desde o ECD de 2007, e, apesar da tentativa de manutenção de status-quo, nunca esteve, de facto, em cima da mesa.