Acordo histórico com os professores impede Ministra de dar reguadas aos mal comportados

A Ministra da Educação ficou impedida de dar reguadas aos professores que se portam mal, bem como de se referir a eles como “essa gentinha” ou “essa corja de preguiçosos”, como fazia a anterior ministra, enquanto cuspia para o chão.
Com este acordo, os professores com nota de “Excelente”, “Muito Bom” e “Perdido de bom” vão progredir mais rapidamente no coração da Ministra e na carreira, mas continua a haver quotas para ambos.
Já os professores com nota “Bom”, “Bom, ninguém o atura” e “Bom era ele ir plantar couves”, vão continuar a poder atingir o topo da carreira, pelo menos ao fim 40 anos de docência, após o que continuarão a ser internados em Centros de Descanso Mental para Professores, com as suas reformas chorudas.
A divisão da carreira docente em duas categorias (professor titular e professor no banco) acabou, mas a proposta dos professores de organizar a carreira em “Tudo ao Molhe e Fé em Deus” não foi aceite. A carreira passa a estar dividida em dez escalões (do 1 ao 10) e três designações (de professor fixe a grandessíssimo filho-da-pauta).