Quinta-feira, 7 de Janeiro, 2010


Eurythmics, When tomorrow comes

E eu começo a estar com algum sono… pobres daqueles que estão a sandochas

U2, The Fly

Mas teria de ser uma que soubesse apanhar o elevador, que está frio para voar e as janelas devem estar fechadas.

O momento escolhido pela TSF (19.21 de hoje) para colocar esta notícia em destaque. Baldaia, amigo, estamos todos contigo.

Ver o Fernando Rosas a defender o casamento entre gays na SICN. E fico-me por aqui.

A cobertura exaustiva da televisão pública (RTP e RTPN) às negociações.

E a terminologia usada: começam por dizer tudo o que caiu na proposta do ME; ficam apenas restrições no acesso ao 5º e 7º escalões (sendo que apenas é ficarem dois de três).

Raramente digo isto, pois não sou adepto de teorias das conspiração. mas desta vez há uma evidente manipulação editorial da informação sobre as negociações.

Curiosidades: reuniões com sindicatos nos 7º, 9º, 11º e 12º andares do ME indicam que seria útil ter alugado uma sala com capacidade para todos, porque assim dá uma sensação muito estranha de haver jogo duplo, triplo ou quadruplo.

Mandaram vir comida há pouco, o que dá a entender que vamos estar à espera mais umas horas. Por mim, como saberão, tentaria saber se O Tempero de Minas tem take-away

Adenda: Revi as imagens e há ainda a dizer que foi destacado que as cedências do ME, quanto à passagem ao 3º escalão, permitiriam beneficiar 18500 professores já este ano. Ufa, que desta vez se esmeraram na patacoada. Pelos vistos todos os que estão no 2º escalão podem progredir por varinha mágica.

Nóbrega Ascenso (quem? a sério que não encontrei nada no google-imagens deste vice-presidente da FNE para ilustrar este post) acaba de dizer na RTP1 que afinal o SINAPE não assinou nada, que a assessoria de imprensa do sindicato se enganou.

Pois.

(a coisa mais ridícula é que as reuniões acontecem em vários andares do ME, a segunda mais ridícula é dizerem que só o ME está a afzer cedências)

… e que é um bocado festivaleiro de estádio, do tipo Simple Minds ou INXS para o novo milénio, mas ainda dá para festivalar em dias e momentos de maior cinzentismo e neurónio cansado.

Pela Amazónia é muito mais barato e desta vez foi mais rápido porque já sabiam o caminho.

Óié!!!

… que estes foram os primeiros a aceitar alguma migalhas. Pelo menos é o que dizem ter sido anunciado pela SICN há pouco.

Agora é importante saber quantos associados têm efectivamente e quantos terão amanhã, caso as coisas não corram bem com os outros…

Ou então foi porque precisavam de ir ao supermercado antes de fechar.

Sócrates acusa bancos de serem responsáveis pela crise

O Primeiro-Ministro reagiu hoje às declarações de ontem do presidente do BPI, Fernando Ulrich, e acusa os bancos de serem “os causadores da crise financeira”.

A afirmação de José Sócrates surge um dia depois de o líder do BPI ter dito aos jornalistas que a dívida pública consolidada do Estado já atinge os 100 por cento do Produto Interno Bruto, PIB.

Qualquer dia o senhor engenheiro ainda diz que os custos cm a nacionalização do BPN ajudaram a agravar o défice, hom’essa!!!

Se a reunião passou para a tarde espera-se que seja feito o resto do caminho. Continuo a achar que qualquer decisão pior do que a anterior não pode, por definição, ser aceite.

Se a negociação foi aberta porque existia um conflito com a divisão na carreira e as quotas para a progressão, que sentido tem que a solução seja pior do que a inicial com mais de uma divisão e a permanência de quotas?

Que desapareça a divisão formal da carreira, mas que não fiquem duas divisões práticas!!!

Professores podem ascender ao terceiro escalão sem depender da abertura de vagas

Parecendo que não, é importante Isabel Alçada que o seu crédito – depois de um período de benevolente expectativa, que alguns como Santana Castilho tanto criticam – se está a esgotar com uma enorme rapidez.

Não só perante os sindicatos, mas mesmo dentro do próprio ME.

… não faço a mínima ideia. Vou dar aulas. Se souberem alguma coisa, deixem por aqui.

E a taxa de penetração do uso de computador e banda larga não decorreu do Plano Tecnológico e que a distribuição de computadores obedeceu à lógica do negócio e não a uma selecção de beneficiários com critérios de aprofundamento da penetração das novas tecnologias.

Mais de 90 por cento dos beneficiários do e.iniciativas já tinham computador

Entre 91 e 96 por cento das pessoas que aderiram aos vários programas das e.iniciativas já tinham computadores em casa, na sua grande maioria computadores de secretária, revela um estudo pedido pela Autoridade Nacional de Comunicações.

Ainda não está online a peça que ouvi pela manhã na TSF com a opinião de meia dúzia de professores da Secundária Augusto Gil do Porto sobre as negociações de hoje.

Por estranha coincidência acho que quase todas as opiniões reproduzidas continham críticas à intransigência negocial dos sindicatos.

Das duas, três e olhem que eu estou longe de ser meigo com os sindicatos: ou não perceberam que os sindicatos cederam já em vários pontos da avaliação e não só, ou então pertencem àquele grupo que se acha tão acima da média que não há constrangimento à progressão que os incomode.

Porque eu gostaria de perceber no que o ME cedeu, para além da prova de ingresso, que é aquilo que não acarreta custos.

Bem, há uma teceira hipótese, mas não a vou considerar credível, porque isso implicaria a introdução de critérios editoriais avançados na peça em causa.

Faz parte da coreografia negocial.

Sindicatos partem para últimas reuniões com esperança num acordo na Educação

Hoje, ao contrário do que é habitual, as reuniões dos responsáveis pelo Ministério da Educação (ME) com os representantes dos vários sindicatos de professores não decorrerão de forma consecutiva, ao longo do dia, mas sim em simultâneo. Às 10h iniciam-se quatro reuniões em outras tantas salas e quem vai circular por elas, na tentativa de construção de um consenso, são os representantes do ME. Bom sinal? Os dirigentes sindicais acreditam que sim, mas vão avisando que não abdicam da reivindicação principal: todos os professores avaliados com “Bom” devem poder chegar ao topo da carreira.

Pieter Brueghel, Paisagem de Inverno (1565)