Só hoje tive tempo para passar os olhos pela imprensa de final de ano. Numa caixa lateral da edição impressa do I, a propósito de uma peça sobre as negociações entre ME e sindicatos, surgem os números de associados para os que serão os três maiores sindicatos (ou federações) de docentes.

Os valores aí apresentados são os seguintes, para o que se afirma ser um universo de 140.000 docentes:

  • Fenprof: 70.000 associados.
  • FNE: 50.000 associados.
  • SPLIU: 20.000 associados.

Ora muito bem. Sabendo-se que estão integrados nos quadros cerca de 115.000 docentes e andando em regime de contrato mais uns 30.000, mesmo se lhes juntarmos mais uns potenciais 10-15.000 docentes não colocados e eventualmente sindicalizados ou sindicalizáveis, ficamos com um problema grave que é o de perceber quatos associados terá a dezena de outras organizações sindicais ou para-sindicais.

Ou existe – e isso é admitido – um fenómeno de dupla ou tripla inscrição, ou então há mais professores sindicalizados do que professores em exercício ou por exercitar.

Ou então há por aqui uma terceira hipótese que é a da sobrevalorização para efeitos de…

Ao menos eu tenho por aí um par de contadores externos para me controlarem o acesso ao blogue e medirem o que ele vale ou não.