Domingo, 20 de Dezembro, 2009


Tom Jones & Cerys Matthews, Baby It’s Cold Outside

(c) Thomas Boldt

Um exemplo prático de um professor penalizado

O “azar” de ter mais Tempo de Serviço

Professores das AEC’s

Encontrei o seu website e achei que seria muito útil que divulgasse a nossa iniciativa:

O planeta energia: recursos didácticos para a infância sobre energia e alterações climáticas. Uma ferramenta para educadores e crianças recorrendo à arte e à interactividade disponível em www.oplanetaenergia.eu .
Se desejar coloque a imagem que envio em anexo. Muito obrigado.
.
Jorge Assis (Sócio gerente de Mundo Gobius Comunicação e  e Ciência)

Caro Paulo Guinote,

Este ano, comemoram-se os 125 anos da Escola Secundária de Avelar Brotero, em Coimbra, onde entre muitas outras actividades estamos a dinamizar um blogue: http://esab125.wordpress.com/. Por conter informação que poderá ser do interesse de ex-professores e ex-alunos, alguns dos quais certamente serão leitores do “Umbigo”, sugiro divulgação, caso lhe pareça adequado inserir um post sobre o assunto.

Cumprimentos,

João Sá

OS NOMEADOS

Jesus Cristo, todos o sabem, nomeou, doze apóstolos e incumbiu-lhes a penosa, mas nobre, missão de espalhar a sua doutrina por toda a terra. (Não contava era que Maomet lhe estragasse os planos, e fizesse o mesmo com outra doutrina… que também desejou ver espalhada pela terra inteira, mas teve de se contentar com cerca de um terço dela.).

Entre os apóstolos “nomeados” por Cristo, destacam-se dois: S. João e S. Pedro. ( Até pelas romarias e festas em sua honra…).

Os apóstolos são, pois, os “nomeados” de Cristo.

Como na altura não havia nada que se parecesse com “sistemas educativos”, nem com “universidades”, nem se passavam “diplomas”  as “nomeações” eram feitas “a olho”.

Foi o que fez Jesus Cristo: olhou para Pedro, viu aquela respeitável barba branca pendurada no queixo, e…, toca a nomeá-lo logo para o cargo que lhe pareceu o mais adequado: o de “Porteiro do Céu”( com o devido respeito pela dignidade do dito).

Mas, hoje em dia, já existem uns “sistemas” chamados “educativos”, “escolas” chamadas “universidades”, e até certificados a que chamam “diplomas” …

Por isso, já não era necessário nomear ninguém recorrendo ao “olhómetro”.

Porém… Dois mil e nove anos depois de Cristo, ainda há muito boa gente que tem o poder de “nomear” ignorando diplomas, certificados, e outras coisas afins… Está-se mesmo nas tintas se o nomeado não sabe ler, escrever ou contar. Aliás, dizem as más línguas que os nomeadores preferem nomeados, não direi analfabetos, porque parece que já não os há, mas sem diploma nenhum. E, se porventura, o cargo que vão exercer exige diploma, esperam que o seu escolhido o tire depressa (ou compre – que ainda é mais rápido…), e, só depois, abre o “concurso” para o nomear.

Ora, pelos sinais, este processo ( da nomeação) nunca irá, infelizmente, acabar. ( Embora se perceba que é uma forma especialmente propícia à entrega de chefias e cargos de responsabilidade aos não competentes…). A sensação que se tem é que só vai existindo para manter de pé a estrutura feudal do “Senhor do anel” e do “Servo da Gleba”…).

A verdade é que há, de facto, uma espécie de gente que só alcança um lugar de destaque, quando alguém  o/a nomeia para determinado lugar.

Os “nomeados” podem sê-lo de diversas maneiras. Umas vezes vivem na mesma rua de quem os nomeia; outras vezes moram no mesmo prédio; ou então, frequentam há anos a mesma pastelaria…

Assim, por exemplo, quando o novo chefe da Direcção Regional de Fardos de Palha, ( o sr Dr. Celestino), quer substituir o sr Belarmino,  chefe da respectiva Delegação Distrital, é, justamente, isso que faz: Substitui o sr. Belarmino  (que havia sido nomeado pelo sr. Dr. Antonino) e nomeia para esse lugar o sr Diamantino.

E por que razão ele (o sr. Dr. Celestino) nomeou desnecessariamente o sr. Diamantino, para o lugar do sr. Belarmino, mesmo sabendo que este era e é mais competente?

Há duas respostas possíveis:

A verdadeira, é porque C. e D. moram na mesma rua, e os pais, amigos de infância, e colegas na tropa, continuam a aprofundar a amizade, indo juntos à “caça”…

A falsa, é porque D, (avisado por C que precisava de um diploma para aquele efeito, tirou um curso intensivo de “enfardagem de palha” no Instituto Superior de Trás-Os-Palheiros, mais conhecido pelo pomposo nome de Universidade das Novas Oportunidades) tem as habilitações adequadas para ocupar o lugar.

Cunha Ribeiro

Página seguinte »