Sexta-feira, 11 de Dezembro, 2009


Daqui a pouco na RTP2, episódio 7 da 2ª temporada. Volto a seguir.

Texto chegado por mail, sem uma formatação muito prática mas que acabo por achar legível com um pequeno esforço, até porque a introdução explica o essencial.

Como docente de uma escola situada na zona da Grande Lisboa que esteve sujeita ao processo de avaliação externa das escola. Por curiosidade visitei o site do IGE e compilei os resultados de todas as escolas da DRELVT que no ano lectivo de 2008-2009, também foram objecto de avaliação externa.

São interessantes as conclusões que podemos tirar.

Constamos que as melhores avaliações estão nos itens (ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR, LIDERANÇA) que são da responsabilidade directa dos órgãos de gestão. Esta situação põe em causa o novo sistema unipessoal de gestão das escolas.

Verificamos também que a maior parte das avaliações de Insuficiente ocorrem na capacidade de auto-regulação e melhoria dos agrupamentos ou escolas.  A excepção acontece em 2 agrupamentos que foram avaliados com Insuficiente no item Liderança.

Em toda a área de influência da DRELVT apenas um Agrupamento teve a avaliação máxima nos 5 itens (Agrupamento de Escolas de Constância).

Existe uma clara divisão nos Agrupamentos de Lisboa. Se olharmos para o mapa de Lisboa, constamos que as escolas zona Oriental da cidade tiveram piores avaliações do que as escolas da zona Ocidental. Existe uma relação directa entre as zonas ricas da cidade e as zonas em que predominam os bairros sociais (zona oriental).

É muito interessante ler tudo o que as escolas fazem para criar melhores condições para as aprendizagens dos alunos, no entanto constato que o problema do abandono e da assiduidade é dramática em todas as escolas.

Deixo este documento à comunidade “ Umbigo” e peço que contribuam para a análise destes resultados.

MS

Legenda:
I1- RESULTADOS
I2- PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO
I3- ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR
I4- LIDERANÇA
I5 – CAPACIDADE DE AUTO-REGULAÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO

ENTIDADE        I1      I2      I3      I4      I5
Agrupamento Escolar de Tramagal (Abrantes)      B       MB      MB      MB      S
Agrupamento de Escolas a Sudoeste de Odivelas   B       B       B       B       B
Agrupamento de Escolas Aquilino Ribeiro (Oeiras)        B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas Avelar Brotero (Odivelas)        S       S       S       S       S
Agrupamento de Escolas Cardoso Lopes (Amadora)  S       B       B       MB      B
Agrupamento de Escolas Conde de Oeiras (Oeiras) B       B       B       MB      B
Agrupamento de Escolas D. Fernando II (Sintra)  B       B       S       B       I
Agrupamento de Escolas D. Manuel I – Pernes (Santarém)  B       B       B       MB      S
Agrupamento de Escolas D. Sancho I – Pontével (Cartaxo) S       B       S       S       I
Agrupamento de Escolas da Benedita (Alcobaça)   MB      MB      MB      MB      B
Agrupamento de Escolas da Damaia (Amadora)      B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas da Trafaria (Almada)     S       S       S       B       S
Agrupamento de Escolas de Alapraia (Cascais)    S       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Alcanede (Santarém)   B       B       B       S       S
Agrup. Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João Montes (V. F. Xira)   B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Apelação (Loures)     S       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Arruda dos Vinhos     MB      MB      MB      MB      S
Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia (Peniche)  B       B       B       B       B
Agrup. de Escolas de Azambuja com Jardim-de-Infância      B      B      MB      MB      S
Agrupamento de Escolas de Azeitão (Setúbal)     B       B       B       MB      S
Agrupamento de Escolas de Bucelas (Loures)      B       B       B       B       B
Agrupamento de Escolas de Carcavelos (Cascais)  B       S       B       MB      B
Agrupamento de Escolas de Carnaxide – Portela (Oeiras)  B       B       MB      MB      S
Agrupamento de Escolas de Cascais       B       B       B       S       I
Agrupamento de Escolas de Constância    MB      MB      MB      MB      MB
Agrupamento de Escolas de Damião de Góis (Lisboa)       S       S       S       S       I
Agrupamento de Escolas de Duarte Lopes (Benavente)      B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Fazendas de Almeirim  MB      MB      MB      MB      S
Agrupamento de Escolas de Freiria (Torres Vedras)       B       B       B       S       S
Agrupamento de Escolas de Mafra B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Marinhais (Salvaterra de Magos)       S       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Praia do Ribatejo (V. Nova Barquinha)    S       S       S       I       I
Agrupamento de Escolas de Sacavém e Prior Velho (Loures)        S       B       B       S       S
Agrupamento de Escolas de Santa Iria de Azóia (Loures)  B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas de Santa Maria dos Olivais (Lisboa)      S       S       S       S       S
Agrupamento de Escolas de S. António dos Cavaleiros (Loures) B       B       MB      MB      S
Agrupamento de Escolas de São Gonçalo (Torres Vedras)   MB      MB      MB      MB      S
Agrupamento de Escolas de Sardoal       B       B       MB      MB      MB
Agrupamento de Escolas do Alto Concelho da Azambuja     B       S       B       B       S
Agrupamento de Escolas do Bom Sucesso (Vila Franca de Xira)     B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas do Concelho de Ferreira do Zêzere        S       S       B       B       S
Agrupamento de Escolas do Monte da Caparica (Almada)    B       MB      B       MB      B
Agrupamento de Escolas e Jardins-de-Infância  da Chamusca    B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas Pedro de Santarém (Lisboa)       S       S       B       S       I
Agrupamento de Escolas Vale da Amoreira (Moita) B       B       MB      MB      B
Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo (Cascais)        B       B       B       MB      S
Agrupamento de Escolas Gen. Humberto Delgado (Loures)        B       B       B       MB      S
Agrupamento de Escolas Gen. Humberto Delgado (T. Novas)  B       B       MB      MB      B
Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires (Amadora)     B       B       B       B       B
Agrupamento de Escolas Luís António Verney (Lisboa)     S       S       S       S       S
Agrupamento de Escolas Manuel da Maia (Lisboa)  S       S       B       B       S
Agrupamento de Escolas n.º 1 de Loures  B       MB      MB      MB      B
Agrupamento de Escolas Nuno Gonçalves (Lisboa)  B       B       B       B       S
Agrupamento de Escolas Padre Vitor Melícias (Torres Vedras)     S       B       B       S       I
Agrupamento de Escolas Patrício Prazeres (Lisboa)       S       S       B       B       S
Agrupamento de Escolas Paulo da Gama (Seixal)   S       S       S       S       S
Agrupamento de Escolas Piscinas – Olivais (Lisboa)      MB      B       B       B       B
Agrupamento de Escolas Ribeiro Carvalho (Sintra)        B       B       B       MB      S
Agrupamento de Escolas Roque Gameiro (Amadora)  MB      B       B       B       B
Agrupamento de Escolas Vale Aveiras (Azambuja)  B       B       B       B       B
Agrupamento de Escolas Vasco Santana (Odivelas) B       B       B       B       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico Afonso Domingues (Lisboa)        S       S       B       B       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico D. Dinis (Lisboa)      S       S       B       B       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico D. João V (Amadora)    S       S       B       S       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico da Baixa da Banheira (Moita) S       S       S       S       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico Daniel Sampaio (Almada)        B       B       B       MB      MB
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Alcochete   S       S       B       S       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Coruche     B       B       B       B       B
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Linda-a-Velha (Oeiras)        B       B       MB      B       B
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Montejunto (Cadaval)       S       S       S       I       I
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Pedro Nunes (Lisboa)        B       B       B       B       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Pinhal Novo (Palmela)       B       B       B       B       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Rafael Bordalo Pinheiro (C. Rainha)     S       B       S       S       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Romeu Correia (Almada)        B       B       B       B       S
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico de Sacavém (Loures)    S       S       B       B       I
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico do Restelo (Lisboa)    B       B       B       B       B
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico Dr. José Afonso (Seixal)        S       B       B       S       I
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico Emídio Navarro (Almada)        B       B       B       MB      B
Escola Sec. 3.º Ciclo do Ensino Básico Poeta Joaquim Serra (Montijo)       S       S       B       B       S
Escola Secundária D. Manuel Martins (Setúbal)   B       B       MB      MB      S
Escola Secundária de Benavente  B       B       B       B       S
Escola Secundária de Camões (Lisboa)    B       B       B       B       B
Escola Secundária de Cascais    B       B       B       B       S
Escola Secundária de Casquilhos (Barreiro)      S       S       B       B       S
Escola Secundária de Mem Martins (Sintra)       B       B       MB      B       B
Escola Secundária de Odivelas   S       B       S       S       S
Escola Secundária de Santo André (Barreiro)     S       B       B       MB      B
Escola Secundária do Forte da Casa (Vila Franca de Xira)        B       B       B       B       S
Escola Secundária Dr. Solano de Abreu (Abrantes MB      B       B       MB      S

CONSTÂNCIO OU O ETERNO FA®DO DOS PORTUGUESES

Segundo as notícias, mais um português, de alta cotação cerebral, vai emigrar para a Europa. Desta vez é Victor Constâncio, o famigerado governador do Banco dos bancos, em Portugal.

Aliás, como todos sabemos, não estamos perante um caso virgem neste país: António Guterres, por causa da “lama” que inundava o país, decidiu procurar lugares mais enxutos, e desandou para uma repartição humanitária sedeada no universal e panorâmico edifício da ONU; Durão Barroso deu tanga ao país, durante alguns meses, e abalou para Bruxelas; João Cravinho também emigrou ( embora este  só tivesse saído ao empurrão); Carrilho também se pôs a mexer para Paris ( e agora vive, à grande e à francesa, na elitista Avenue Foch).

Não nos admiremos, pois, que Victor Constâncio tenha, ele também, resolvido deixar o país. Não é menos que os outros. Antes pelo contrário…

Bem, há uma pequena diferença: Constâncio, como devem saber, tem, no Banco de Portugal, um vencimento de príncipe. Por isso arrisca-se a ir ganhar menos no Banco Europeu.

Mas outros valores mais altos se “alevantam”, caro leitor. Até agora, era o dinheiro que, de vez em quando, o fazia mexer… A partir de agora vai ser a fama! Já imaginaram  a baba que vai escorrer, pelo queixo do ilustre banqueiro, quando lhe for outorgado o título insigne de Vice governador do Banco Europeu?

E Jean Claude Trichet, o presidente, que se cuide… O português já aprendeu a lição. Estou mesmo a vê-lo entrar para o seu gabinete, sentar-se na poltrona de couro, coçar a cabeça, e dizer para os seus botões: “ Bem, se isto correr para o torto, o tipo vai-se embora, e…o Governador passo a ser eu”.

E porque não?  Se ele regula tão bem!

Cunha Ribeiro

Sei que é um pouquinho demagógico, mas acho que merecido, chamar a atenção para o facto da população da RAM ser inferior a 250.000 habitantes. Façam lá as contas aos quase 80 milhões de euros de endividamento suplementar e terão uma noção do que para o PSD por acção e o PS por omissão consideram ser uma forma de conter o défice público.

E depois aposto que vão fazer imenso barulho por causa da quantia muito inferior que vai ser necessária para assegurar a progressão dos docentes logo que esteja concluído o primeiro ciclo de avaliação legislado pelo ME.

Aprovada proposta do PSD de endividamento de 79 milhões de euros para a Madeira

O Parlamento aprovou hoje a proposta do PSD de alteração ao Orçamento do Estado para 2009 para que a Madeira possa contrair um endividamento até 79 milhões de euros. A proposta inicial do PSD seria a possibilidade de as regiões autónomas da Madeira e dos Açores pudessem contrair um endividamento de até 129 milhões de euros.
A proposta foi aprovada com votos a favor do PSD e de um deputado do CDS-PP eleito pela Madeira, José Manuel Rodrigues. A surpresa foi a posição do PS que optou por se abster. Isto depois do Ministro das Finanças ter acusado o PSD de irresponsabilidade por subscrever proposta de alteração à Lei de Finanças Regionais (LFR)da Madeira. Também o deputado pelos Açores e vice-presidente da bancada parlamentar socialista, Ricardo Rodrigues, tinha dito que é necessário “separar a boa da má gestão”, garantindo o controlo das contas dos Açores. Em declarações ao i, Ricardo Rodrigues garante que a posição do PS foi alterada por “motivos de força maior”. “Em causa estão os salários da função pública para Dezembro. Os madeirenses não podem sofrer pela má gestão do governo”, explicou.

Governo já apresentou candidatura de Constâncio ao BCE

Cavaco avisa que não vai entrar em “retóricas de dramatização”

Presidente da República afasta o cenário de ingovernabilidade do país

Curioso, muito curioso, o título da notícia do Diário Económico. Quanto à proposta, pelos detalhes conhecidos pela imprensa, tem as suas qualidades, embora deva ir parar ao cesto dos papéis do ME.

Professores apresentam proposta de carreira que adia tempo de chegada ao topo

A Associação Nacional de Professores apresentou hoje à ministra da Educação uma proposta de progressão da carreira que adia o tempo de chegada ao topo e inclui mecanismos de avaliação que eliminam a lógica das quotas para as melhores notas.

“Apresentámos [à ministra Isabel Alçada] como proposta que o percurso de progressão da carreira dos professores poderia chegar no limite aos 34 anos [de profissão], ou seja o professor atingiria o topo de carreira aos 34 anos [de profissão]”, disse o presidente da Associação Nacional de Professores (ANP), João Grancho, no final de uma reunião no Ministério da Educação.

A actual proposta do ministério é de 32 anos para atingir o topo de carreira.

O responsável da ANP – uma associação de carácter profissional e não sindical – ressalvou que na sua proposta o topo de carreira estaria reservado para os professores avaliados com uma nota de “Bom”.

“Obrigatoriamente tinha de ser avaliado com ‘bom’. Ninguém poderia progredir se não fosse um bom professor”, disse.

O elemento de “reconhecimento do mérito” deste modelo, acrescentou, seria introduzido através de um mecanismo em que o professor se auto-propunha para avaliação.

“Introduzia-se também um mecanismo intermédio, esse sim de reconhecimento do mérito, em que a partir do terceiro escalão – a carreira está a ser organizada em nove escalões – os professores poderiam propôr-se a antecipar um ano a sua progressãao através de uma avaliação”, explicou João Grancho.

Nesse caso, sublinhou, a carreira já não se desenvolveria em 34 anos, mas eventualmente em 28 anos.

Página seguinte »